Notícias

Mamíferos aquáticos entram no cardápio de 114 países

Levantamento mostra que mamíferos aquáticos, em especial diferentes espécies de golfinhos, são usados como alimento humano pelo mundo afora.

Vandré Fonseca ·
23 de fevereiro de 2012 · 10 anos atrás
A cena dramática é parte do filme "A Enseada", que mostra o abate de golfinho para consumo de carne e pele, em Taiji, Japão. (Foto: Divulgação)
A cena dramática é parte do filme "A Enseada", que mostra o abate de golfinho para consumo de carne e pele, em Taiji, Japão. (Foto: Divulgação)
Manaus, AM – Mamíferos aquáticos estão no cardápio da população de 114 países. A conclusão é de uma equipe de pesquisadores da Wildlife Conservation Society e da Okapi Wildlife Associates, que durante três anos levantaram informações sobre o abate desses animais para consumo humano em todo o mundo. E nesta lista não constam espécies abatidas acidentalmente ou que servem para capturar outros animais (como é o caso dos botos na Amazônia), são apenas aqueles caçados para encher o prato dos humanos.

No total, o estudo levantou que 87 espécies de mamíferos aquáticos foram utilizadas, desde 1990, para a alimentação humana. “Obviamente, há a necessidade de aumentar o monitoramento de espécies como os golfinhos-corcundas tanto do Oceano Índico quanto do Atlântico e outras espécies”, afirma o diretor do Programa Gigantes do Oceano da WCS, Howard Rosenbaum. “Em áreas mais remotas e em inúmeros países, a necessidade imediata é entender as motivações por trás do consumo de mamíferos aquáticos para desenvolver soluções de proteção destas espécies ícones”, completa.

Espécies obscuras, como o golfinho-de-fraser (como este em um mercado de peixes no Sri Lanka), estão sendo cada vez mais utilizadas como alimento em regiões pobres e com insegurança alimentar. (Foto: Anouk Ilangakoon)
Espécies obscuras, como o golfinho-de-fraser (como este em um mercado de peixes no Sri Lanka), estão sendo cada vez mais utilizadas como alimento em regiões pobres e com insegurança alimentar. (Foto: Anouk Ilangakoon)

Entre as espécies consumidas estão espécies encontradas no Brasil, como os peixe-boi-da-amazônia (Trichechus inunguis) e o peixe-boi-marinho (Trichechus manatus) – o primo deles, o peixe-boi-africano (Trichechus senegalensis), também está na lista — e o boto-de-burmeister (Phocoena spinipinnis). Estão também espécies pouco conhecidas como o golfinho-negro-do-chile (Cephalorhynchus eutropia), baleia-bicuda-pigmeia, (Mesoplodon peruvianus), a baleia-piloto (Globicephala melas) e o boto-de-burmeister (Phocoena spinipinnis), que pode ser encontrado na costa brasileira.  Estão também espécies de água doce, como o golfinho-do-ganges (Platanista gangetica). Até o urso polar (Ursus maritimus) entra nesta história.

Leia também

Notícias
24 de setembro de 2021

Ameaçado pelo avanço da agricultura, Pampa é o bioma que mais perde vegetação nativa

Levantamento do Mapbiomas mostra que em 36 anos o segundo menor bioma do país perdeu 21,04% de sua cobertura vegetal. Maior parte da perda foi para a produção de soja

Notícias
24 de setembro de 2021

Servidores da Bahia entram com ação contra “Secretária-Diretora” do Meio Ambiente no estado

Associação de servidores ambientais denuncia inconstitucionalidade do acúmulo de cargos de chefia na área ambiental do estado exercido por Márcia Telles há mais de 4 meses

Notícias
23 de setembro de 2021

Sociedade civil repudia propostas antiambientais da Economia

Planos de Paulo Guedes e setor empresarial para o meio ambiente estão sendo analisados pelo Ibama, que tem até dia 30 de setembro para responder

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta