Notícias

Módulo brasileiro Criosfera 1 inicia transmissão de dados na Antártica

O primeiro módulo científico brasileiro no interior do continente antártico começou a funcionar, um êxito dessa expedição pioneira.

Flávia Moraes ·
6 de janeiro de 2012 · 10 anos atrás
Acampamento avançado, a 84°S, onde o módulo está sendo instalado. Foto: CPC/UFRGS Divulgação
Acampamento avançado, a 84°S, onde o módulo está sendo instalado. Foto: CPC/UFRGS Divulgação
Ainda em teste, o módulo científico Criosfera 1 inicia a transmissão de dados meteorológicos direto da Antártica para o Brasil, mais precisamente para o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Esse é o resultado comemorado pelo trabalho da equipe de 15 pesquisadores brasileiros e 2 chilenos, integrantes da Expedição Criosfera, os quais estão acampados no continente gelado desde o dia 17 de dezembro de 2011.

Depois do retorno da equipe, o módulo deve começar sua operação plena e a coletar automaticamente amostras do ar polar. “Estamos na segunda semana de trabalho e já podemos dizer que a expedição é um sucesso. Embora a temperatura tenha caído um pouco, chegando a -17°C, com sensação térmica de -42°C, os trabalhos ao ar livre estão sendo feito sem muitos problemas. Nossa perfuração nas camadas de gelo para obtenção dos testemunhos* já chega a 70 metros de profundidade, o que nos possibilita reconstruir os últimos 300 a 400 anos da história da atmosfera terrestre”, conta por telefone o líder da expedição, professor Jefferson Simões, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Ano Novo da equipe do acampamento avançado. Dentro do módulo estava "quentinho". Foto: CPC/UFRGS Divulgação
Ano Novo da equipe do acampamento avançado. Dentro do módulo estava "quentinho". Foto: CPC/UFRGS Divulgação
Depois de comemorarem o Natal no acampamento base, localizado na Geleira Union (79º45’S; 82°50’W), os cientistas dividiram-se em dois grupos: um que permaneceu na base e outro que seguiu para o acampamento avançado (84°S, 79°29’39″W; 1.287 metros de altitude), mais próximo do Polo Sul geográfico. É neste ponto, a cerca de 670 quilômetros do Polo, que o primeiro módulo científico brasileiro está sendo instalado no interior da Antártica.

Sobre a noite de Ano Novo no gelo, Simões conta que a temperatura esteva na casa dos -30°C, mas a comemoração do grupo foi dentro do módulo Criosfera 1, cujo termômetro marcava 14°C (positivos). “O isolamento térmico do módulo é excelente e esta temperatura agradável é atingida somente com a radiação solar que passa pelas janelas”, revela.

Módulo Criosfera 1 sendo equipado e montado. Foto: CPC/UFRGS Divulgação
Módulo Criosfera 1 sendo equipado e montado. Foto: CPC/UFRGS Divulgação
As baterias que garantirão o funcionamento do módulo já estão sendo carregadas pelos painéis solares e geradores eólicos, que funcionarão durante o ano todo. “Esperamos concluir a instalação na próxima semana e inaugurar o módulo completo dentro de dez dias”, revela o líder da expedição.

O grupo segue dividido entre esses dois acampamentos até o final dos trabalhos, que devem ser concluídos dia 20 de janeiro de 2012. A expectativa é que dia 25 de janeiro todos já estejam de volta, comemorando o sucesso da missão científica pioneira no país.

*Testemunhos de gelo são cilindros de cerca de 7 cm de diâmetro e 80 cm de comprimento obtidos através da perfuração das camadas de gelo que cobrem o continente antártico. Através de analíses físicas e químicas, em laboratório, é possivel reconstituir a história da composição atmosférica da Terra.

Leia também

Análises
17 de setembro de 2021

O Brasil no coração da conservação mundial da natureza

O Congresso da IUCN anunciou a agenda de conservação da natureza para a próxima década, invocando os governos a empreender uma recuperação baseada na natureza no pós-pandemia

Notícias
17 de setembro de 2021

Ministério cria programa para fazer o que a Agência Nacional de Águas já faz

Lançado nesta sexta (17), o Rio+Limpos tem como objetivo disponibilizar dados sobre qualidade das águas e fomentar ações de melhoria e saneamento, competências historicamente feitas pela ANA

Notícias
17 de setembro de 2021

Tocantins vende terras públicas invadidas a R$ 3,50 o hectare

Valor é o mais baixo entre os estados da Amazônia, revela estudo do Imazon. Além do preço irrisório, Tocantins tem pior colocação no ranking de transparência

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta