Notícias

Kalungas em cinco dias

Confira a caminhada de cinco dias por três regiões imponentes no norte da Chapada dos Veadeiros. Ao todo, 95 quilômetros foram percorridos.

Redação ((o))eco ·
13 de julho de 2011 · 10 anos atrás

Se a intenção é uma bela e puxada caminhada por alguns dos visuais mais espetaculares do Cerrado, vá ao Triângulo dos Kalungas. Pelo menos esta é a dica de quatro amigos excursionistas de Brasília. Aldem Bourscheit, ex-repórter de ((o)) eco, Andrea Zimmermann, Fábio França e Ticiana Pontes saíram da capital federal no dia 17 de junho à noite em direção a Cavalcante. Nos cinco dias seguintes, foram 95 quilômetros com os pés no chão pelo nordeste goiano, cruzando os vãos do Dedo do Moleque, das Almas e o Engenho, três regiões habitadas do território quilombola do norte da Chapada dos Veadeiros. Ao todo, são mais de 200 mil hectares de terras Kalungas.

“O trekking exploratório foi totalmente autônomo (equipamentos, comida etc) e serviu para mapear/conectar esse grande circuito através de caminhos ora conhecidos, ora supreendentes por sua beleza incomum. Cruzamos por praticamente todas as formações apontadas para o Cerrado, com várias famílias sertanejas, além de avistarmos inúmeros exemplares da fauna nativa. O ponto alto foram os botos no fantástico rio Paranã. Um dos principais inimigos foi o calor, forçando-nos a levantar acampamento sempre nas primeiras horas da manhã para vencer a maior distância possível com temperatura amena”, diz Aldem.

Abaixo, confira algumas fotos panorâmicas da expedição. Neste link, conheça o caminho com mais detalhes e como chegar.

Links Externos:

Coroas do Cerrado

Leia também

Notícias
21 de setembro de 2021

Justiça de Rondônia considera inconstitucional lei que extinguiu 11 UCs no Estado

Decisão é novo capítulo de novela jurídica em torno das UCs de Rondônia. Leis posteriores à norma agora considerada inconstitucional ainda colocam em risco áreas protegidas

Salada Verde
21 de setembro de 2021

Senador quer impedir Ibama de destruir equipamentos durante fiscalização

Telmário Mota (Pros-RR) entrou com um projeto de lei para que maquinário, veículos e instrumentos usados no crime ambiental não possam ser destruídos pelo Ibama. Na Câmara, há 7 proposta parecidas

Notícias
21 de setembro de 2021

Projeto reduz em um terço área da Floresta Nacional de Brasília

A proposta que retira 3.706 hectares da Flona de Brasília foi aprovada pela Comissão de Meio Ambiente e também amplia e transforma a Reserva Biológica da Contagem em Parque Nacional

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cláudio Maretti diz:

    Boa matéria, Duda Menegassi! Equilibrada, correta e necessária. Parabéns e obrigado!

    Ajustes nessas unidades de conservação são necessários desde a sua criação e a necessidade só aumenta quando os ajustes não são aplicados.
    Há estudos e diálogos nesse sentido há tenpos.

    Para ajustes em unidades de conservação é necessário estudos, análise e propostas técnicas, compensação da conservação e diálogo para compor soluções.

    A posição técnica do ICMBio é consistente e adequada.

    A Floresta Nacional de Brasília tem algumas áreas com valor ecológico não tão importante, relativamente, e desde sua criação. Mas há áreas importantes para recuperação e para visitação (ou uso público), como a Área 1, com importante envolvimento da sociedade local e boa história e grande potencial de voluntariado. E há áreas importantes para recuperação, ordenamento da ocupação e proteção dos recursos hídricos, como a Área 4 e grande parte da Área 3. Faz todo sentido mudar a categoria da Reserva Biológica de Contagem para parque nacional, promovendo a conservação com a visitação (ou uso público), de forma integrada com o Parque Nacional de Brasília. Faz todo sentido ampliar a conservação de áreas de maior valor ecológico (inclusive como compensação pela redução de outras áreas).

    Mas é muito importante acompanhar com atenção o processo no Legislativo, pois há vários parlamentares só interessados em especulação imobiliária e populismo com lotes e moradias (como em toda a história do Distrito Federal).