BR-135 muda traçado por causa de cavernas

Celso Calheiros
segunda-feira, 11 julho 2011 17:14
Buraco do Inferno da Lagoa é considerada caverna de máxima  relevância pelas suas dimensões e por abrigar o maior lago subterrâneo  do Brasil. Crédito: Grupo Bambuí
Buraco do Inferno da Lagoa é considerada caverna de máxima relevância pelas suas dimensões e por abrigar o maior lago subterrâneo do Brasil. Crédito: Grupo Bambuí
A conservação do Buraco do Inferno da Lagoa do Cemitério é responsável por um novo traçado de cinco quilômetros para a BR-135, no trecho entre São Desidério (Km 207) e Correntina (Km 212), na Bahia. Essa decisão atende a pedido do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas (Cecav-ICMBio), que classifica a formação como de máxima relevância, por abrigar o maior lago subterrâneo no Brasil (com 25 mil metros quadrados). A decisão tem chance de pacificar espeleólogos e simples freqüentadores essas cavidades geológicas tão pouco consideradas em grandes obras.

O temor pelo desrespeito ao meio ambiente começou, depois de 2007, quando o Ibama concedeu a licença de instalação para obra, com restrições até que um programa específico para a conservação das cavidades naturais fosse implementado. O plano era dar nova pista para os 556 quilômetros que ligam Belo Horizonte a São Luís, no Maranhão – uma rodovia com praticamente todo seu trajeto sertanejo.

Nem tudo ocorreu como planejado nessa estrada que, no site, propagandeia uma preocupação com a natureza em seu entorno. De acordo com representante Grupo Bambuí de Pesquisas Espeleológicas, sete cavidades menores foram suprimidas apenas com o trabalho de terraplanagem. Pedaços do teto do Buraco do Inferno da Lagoa do Cemitério começaram a cair com a obra, quando se utilizava explosivos.

 

Mapa das cavernas do Sistema João Rodrigues e o ponto onde a BR-135 passa. Crédito: Bambuí - Clique para ampliar.
Mapa das cavernas do Sistema João Rodrigues e o ponto onde a BR-135 passa. Crédito: Bambuí – Clique para ampliar.
As formações geológicas fazem parte do sistema João Rodrigues, que está reservado para integrar uma unidade de conservação indicada pelo Cecav. A indicação é resultado de compensação ambiental de outras duas cavernas suprimidas na região de Ituaçu, também na Bahia. A compensação acompanha a legislação para as cavernas.

Com respaldo legal e calejados com um histórico de pouca atenção para essas formações, os grupos de exploradores de cavernas entraram em ação. Ibama e ao Cecav receberam denúncias sobre o risco que o patrimônio espeleológico da região corria. A licença de instalação foi suspensa, em 2010.

O Ibama chegou a solicitar um parecer aos especialistas em espeleologia no Ministério do Meio Ambiente. O chefe do Cecav, Jocy Cruz, lembra que foi feita uma análise no local e chegou-se a conclusão de que a rodovia deveria fazer um novo traçado. “Nosso parecer é apenas uma opinião técnica. O órgão licenciador é o Ibama”, ressaltou Jocy.

O passo seguinte do Ibama foi solicitar novo EIA/Rima para o trecho e um estudo específico, ao empreendedor da BR-135. O coordenador de Transportes do Ibama, Marcus Melo, disse que o estudo geofísico apresentado demonstrou a não interferência das obras nas cavernas da região, logo o Ibama revogou a suspensão da licença em fevereiro de 2011.

A liberação das obras a partir do km 212 teve condições: explosivos não devem mais ser utilizados e, em caso de desobstrução deve-se utilizar tecnologia que não promova vibração de grande, informou a assessoria de comunicação do Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes (Dnit).

De acordo com o órgão do Ministério dos Transportes, a pedido do Ibama, haverá monitoramento constante das obras, de modo a identificar vibrações ou trepidações que possam afetar o patrimônio espeleológico. Haverá uma revisão do projeto (em análise) com proposta de alteração da pavimentação. Antes seriam feitas duas camadas de solo estabilizado e mais a capa asfáltica. A nova proposta é utilizar uma única camada de concreto de cimento portland. Como o novo projeto está em análise, a obra no trecho não foi retomada, informa o Dnit.

A BR-135 cruza quatro estados e 22 municípios. Hoje, recebe um volume médio diário de 971 veículos. A previsão para o final do empreendimento é de 1.305 veículos em média por dia.

 

Como era a Pedra do Pescoço antes e depois das obras dão uma ideia do efeito que a pavimentação de uma grande rodovia pode causar no entorno.

Saiba mais:

BR-135
Sistema Nacional de Unidades de Conservação
Potencialidade da ocorrência de cavernas baseada na litologia – Bahia
Almanaque Turma do Dinho (espeleologia em linguagem didática)

{iarelatednews articleid=”24562″}

2 comentários em “BR-135 muda traçado por causa de cavernas”

  1. Parabéns pelo Site OECO, o mesmo trás informações muito valiosas acerca da polêmica da construção da BR-135.
    Sugiro que sempre coloquem as fontes de pesquisas, pois proporciona mais credibilidade e confiança.
    Atenciosamente,
    RBD

    Responder
  2. e lamentavel que uma regiao que precisa desenvolver tem uma br. sem terminar por causa de menos de 25 km deixando um transforno grande aos seus usuarios ate quando? acho que e falta de politicos para poder fazer cobrança no dnti. as cavernas nao sao obstaculos tem projetos para mudarem os traçados da br. o que falta e vergonha dos politicos da regiao.

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.