Notícias

Mudanças climáticas e saúde

Novo relatório da Organização Mundial da Saúde avalia que os impactos de alterações no sistema climático global são, no mínimo, preocupantes.

Redação ((o))eco ·
12 de janeiro de 2010 · 12 anos atrás

Novo relatório da Organização Mundial da Saúde, lançado no dia 10 de janeiro,  avalia que os impactos de alterações no sistema climático global são, no mínimo, preocupantes. De acordo com o documento de 36 páginas (veja link abaixo),  “um mundo com um clima mais quente e variável deve levar a maior concentração de poluentes nas cidades e aumentar a transmissão de doenças através da água”. Nos cálculos da organização, já nos dias de hoje, 1,2  milhão de pessoas morrem todos os anos por doenças causadas por poluição do ar. Outras 2,2 milhões são vítimas de diarréias originadas na má qualidade da água que bebem. 

Apesar do tom sombrio dos parágrafos de abertura, o tom geral do relatório é positivo. A principal mensagem é de que com políticas de redução de emissões de gases de efeito estufa é possível ter impactos positivos sobre a saúde humana. Por exemplo, medidas de eficiência no uso de energia no transporte acabam por cortar os níveis de poluição do ar, beneficiando as populações urbanas.

Para ler o relatório completo “Mudanças climáticas e saúde humana”, clique aqui ( em inglês)

Leia também

Análises
29 de julho de 2021

Os incêndios criminosos na Amazônia devem ser contidos

O fogo passou a ser uma realidade para a Amazônia no Antropoceno e é fundamental rever as estratégias que vêm sendo adotadas para o combate aos incêndios, assim como as suas vinculações ao jogo de interesses predominante

Notícias
29 de julho de 2021

Leite repete Salles e desinforma sobre combate ao desmatamento

Em documento, novo ministro culpa Covid por cancelamento de quase metade das operações do Ibama, comemora ações que não saíram do papel e tenta desqualificar INPE

Notícias
29 de julho de 2021

Treze peixes-bois resgatados e reabilitados são devolvidos aos rios da Amazônia

Programada para ocorrer em 2020, a soltura teve atraso por causa da pandemia da Covid-19. É o maior número de devolvidos na natureza feito pelo Projeto Mamíferos Aquáticos da Amazônia

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta