Raul Bueno
É arquiteto urbanista, leciona na FAU-UFRJ e no Bennett. Ao projetar, busca o equilíbrio da cidade com o meio ambiente. Mora no Rio de janeiro e é um ciclista inveterado. Só falta pedalar da Urca ao Fundão.

Xerém: estudo de 1996 antevê com precisão locais de enchente

Raul Bueno*
sexta-feira, 4 janeiro 2013 20:30


Será que a população do bairro de Xerém, em Duque de Caxias, construiria suas casas no mesmo local se conhecessem os mapas desenhados para o Plano Diretor da Bacia do Iguaçu – Sarapuí, da COPPE UFRJ? Feitos por encomenda da antiga SERLA (atual INEA – Instituto Estadual do Ambiente), eles foram elaborados em 1996, ou seja, há cerca de 17 anos.

O problema é que a população não teve essa opção, já que o próprio plano nunca foi executado ou mesmo divulgado.

Entretanto, o plano detalha com precisão as manchas de inundação, denominação das áreas que podem sofrer com enchentes. Este mapa poderia ser usado para a realocação de famílias e o planejamento de toda a região.

Principais problemas do Brasil, as questões relacionadas a enchentes e deslizamentos têm solução muito mais fácil do que as relacionadas a terremotos, maremotos e outros desastres naturais.


A região metropolitana do Rio de Janeiro sempre sofreu com as chuvas. Não é de hoje que urbanistas, geógrafos e outros técnicos alertam sobre estes problemas. A tragédia de Caxias já está anunciada há décadas. Quem lê corretamente um mapa sabe disso.

Não adianta montar gabinete de emergência. Planos de contingência se fazem em épocas tranquilas, não durante a contingência.

Entre 2005 e 2008, trabalhei como arquiteto-ubanista da Prefeitura da Cidade de Nova Iguaçu, na equipe da extinta SPUR (Secretaria de Projeto Urbano). Nesse período, nós constantemente consultávamos o Plano Diretor da Bacia do Iguaçu e do Sarapuí

Os técnicos da COPPE e do governo são bons. Precisamos de políticos e administradores menos imediatistas e que sejam responsabilizados por essas tragédias, recorrentes a cada verão. Tomara que os habitantes dessas áreas não se esqueçam do seu sofrimento na hora de votar.

A repórter Daniele Bragança colheu o depoimento do morador Pablo Souza Rangel de Oliveira, 21 anos, estudante de história na Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Sua casa fica localizada na Mantiqueira, um dos bairros de Duque de Caxias, Baixada Fluminense, mais atingidos pelas chuvas. Pablo conta a agonia de ver, em poucos minutos a casa tomada pela água.

Segue o seu relato:

“Aqui na rua, a minha casa é alta. Em 20 minutos, subiu meio metro. Isso na minha casa, a rua já estava alagada. Teve vizinho meu, da parte de baixo da rua, que a casa alagou 1 metro e meio. O pouco que entrou na minha casa já fez perder muita coisa: cama, guarda-roupa, colchão, geladeira. Alguns eletrodomésticos nós conseguimos salvar. A água entrou às 4h20 da manhã da quinta.   

O principal problema agora é e jogar fora o entulho dos móveis destruídos e lidar com a falta de caminhões de limpeza. Não passa carro para nada. Já buscamos o posto de controle, tentamos falar com secretários e políticos. Ninguém disse que dá para nos ajudar. Comida e água há bastante. Do posto montado na praça Mantiqueira até colchão ganhamos. O problema é limpar a rua. Se chover forte de novo, a água não vai escorrer por causa do lixo acumulado e voltará a atingir as casas”

Na região da Baixada Fluminense, as chuvas na madrugada desta quinta-feira (3), provocaram a morte de 1 pessoa e há um desaparecido. Segundo o boletim da Defesa Civil Estadual, 45 casas foram destruídas e 200 danificadas; 1.276 pessoas tiveram que deixar suas casas no município de Duque de Caxias.

Veja abaixo fotos da região. Clique para ampliar.

Leia também

Enchentes: ((o))eco publica estudo da COPPE de 1996

Bom senso livrou cidades históricas de MG das enchentes

https://www.oeco.org.br/maria-tereza-jorge-padua/16292-oeco20773

https://www.oeco.org.br/maria-tereza-jorge-padua/16267-oeco_15840

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.