Maria Tereza Jorge Pádua
Engenheira agrônoma, membro do Conselho da Associação O Eco, membro do Conselho da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e da comissão mundial de Parques Nacionais da UICN.

O mundo perdeu Antonio Brack

Maria Tereza Jorge Pádua
quarta-feira, 31 dezembro 2014 18:13
O ambientalista Antonio Brack. Foto: Spiegel-Peru.

Morreu neste 30 de dezembro um grande ambientalista: Antonio Brack. Peruano de Oxapampa, foi talvez o melhor ministro de meio ambiente que o mundo viu atuar. Pelo menos um dos melhores. Deixou mais de trinta livros, a grande maioria sobre espécies silvestres, suas origens e áreas de distribuição.  Eu o li pela primeira vez na década de 70. Foi o livro “O Ambiente em que Vivemos”. Tive o privilégio de acompanhá-lo no Brasil desde Santarém, Manaus, Parque Nacional da Amazônia e nos Parques Nacionais das Emas, Itatiaia, Serra dos Órgãos e Brasília. Tudo que eu queria aprender perguntava para ele. No barco do extinto IBDF, na Amazônia, em 1976, eu lhe perguntei: — E o que vai acontecer com esta imensa floresta? Ele me respondeu: Será destruída.

Grande cientista. Grande professor. Grande escritor. Grande repórter. Não cabe nenhum outro adjetivo menor.

Adeus, meu grande amigo. Aquele que adorava ir em nossa casa para comer de minha comida e me fazia sentir a melhor das cozinheiras. Nunca mais farei um prato sem lembrar de você.

Adeus Brack.

 

As opiniões e informações publicadas na área de colunas de ((o))eco são de responsabilidade de seus autores, e não do site. O espaço dos colunistas de ((o))eco busca garantir um debate diverso sobre conservação ambiental.

 

Leia Também 

A nova definição presidencial do manejo florestal

Um adeus ao Almirante Ibsen, ferrenho defensor da natureza

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.