Colunas

Lotear o ICMBio é atentado contra o Brasil

Decisões erradas sobre conservação são com frequência irreversíveis. Deixar que o ICMBio seja desfigurado é dar mais uma prova de que nossa espécie é suicida

21 de maio de 2018 · 3 anos atrás
  • Maria Tereza Jorge Pádua

    Engenheira agrônoma, membro do Conselho da Associação O Eco, membro do Conselho da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Nat...

Protesto dos Servidores do ICMBio no Amazonas -Foto: Rede Pro-UC/ Facebook.

O maior patrimônio do país, gerido pelo governo brasileiro, está sendo leiloado para e por politiqueiros de última hora. Falo do Sistema Nacional de Unidades de Conservação, mais conhecido como SNUC, que está sob a gestão do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). Apesar de ser um órgão pequeno em termos de pessoal e de orçamento, é o responsável legal por manejar cerca de 330 unidades de conservação de distintas categorias, que somam mais de 10% da nossa extensão territorial. Acrescente-se aí as unidades de conservação marinhas federais, geridas em conjunto com a Marinha.

Poucos têm a real dimensão do que significa administrar essas grandes extensões de terra, estabelecidas para a conservação da natureza, da nossa enorme biodiversidade, de recursos hídricos, ou de locais de extraordinária beleza cênica.

Quem primeiro propôs um Parque Nacional no país, em 1876, foi André Rebouças, nosso mulato abolicionista. Tratava-se da Ilha do Bananal, Araguaia, que já está profundamente degradada.

Desde o estabelecimento do primeiro Parque Nacional do Brasil, o de Itatiaia, em 1937, seguido do Iguaçu, proposto por Santos Dumont, e depois Serra dos Órgãos em 1939, o país assistiu ao longo dos anos a criação de mais de 70 parques nacionais, além de outros tipos de unidades de conservação em nível nacional, estadual e municipal.

Elas seguem a duras penas, enfrentando problemas como o fato de que mais de 60% das nossas áreas protegidas ainda estão nas mãos de proprietários particulares, dado o atraso no processo de sua regularização fundiária. Nossos políticos nos tornaram campeões em reduções de Parques Nacionais e outras áreas protegidas, ou de mudança de categorias mais restritas para as mais flexíveis.

Mas, mesmo capengas, perdendo áreas e biodiversidade, a missão das unidades de conservação e do sistema legal que as protege continua primordial. Em boa parte, porque os heróis do ICMBio e dos órgãos que o antecederam conseguiram preservar muito do nosso maior tesouro nacional.

No entanto, o momento é de perigo agudo, pois querem que o órgão seja rifado e loteado na politicagem inconsequente de um ano eleitoral.

Nunca foi tão grande o risco de deixar que analfabetos em conservação sejam os responsáveis por guardar para a nação e para o planeta, o que eles não podem sequer compreender a importância ou necessidade.

Decisões erradas sobre conservação são com frequência irreversíveis. Deixar que o ICMBio seja desfigurado é dar mais uma prova de que nossa espécie é suicida.

Ao contrário de sucumbir à politicagem, para viver bem e garantir a vida da nossa espécie, precisamos dos serviços ambientais que a nossa Natureza oferece.

Nessa emergência, deixo aqui meus parabéns e agradecimentos aos indivíduos em ONGs e na sociedade civil que estão vigiando e lutando para que os políticos freiem seus instintos e preservem nosso Sistema Nacional de Unidades de Conservação.

 

Leia Também

Vice-presidente do PROS é cotado para ser presidente do ICMBio

Os quinze anos do SNUC nos exigem redobrar os esforços

Maria Tereza Pádua: “Estão acabando com as Unidades de Conservação”

 

 

 

Leia também

Reportagens
4 de junho de 2015

Maria Tereza Pádua: “Estão acabando com as Unidades de Conservação”

A agrônoma lembra o histórico das áreas protegidas que ajudou a criar e da destruição dos biomas brasileiros ao longo dos últimos 50 anos.

Colunas
18 de julho de 2015

Os quinze anos do SNUC nos exigem redobrar os esforços

O Sistema Nacional de Unidades de Conservação está sendo atacado por todos os lados. É preciso ao menos deixar claro que não nos calaremos.

Salada Verde
11 de maio de 2018

Vice-presidente do PROS é cotado para ser presidente do ICMBio

Se a indicação for confirmada, será a primeira vez que a autarquia será gerida por um político sem ligação com a área ambiental desde a sua criação, em 2007

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 18

  1. Julia Miranda diz:

    Olá Maria Tereza, eu sou estagiária no Milaré Advogados, gostaríamos de entrar em contato com você. Como podemos fazer?


  2. Igor diz:

    A proteção do patrimônio natural e o desenvolvimento socioambiental do Brasil requer capacidade gerencial e poder de articulação social e política. Neste sentido, a escolha de um gestor público para a presidência do Instituto Chico Mendes sinaliza a busca de um trabalho dinâmico e moderno.

    Cairo Tavares traz para o ICMbio a possibilidade concreta de equilibrar qualificação técnica-gerencial com um lastro político capaz de colocar os seus projetos e ações na pauta das prioridades de governo.

    Cairo Tavares acumula uma relevante trajetória e experiências profissionais que incluem a participação no Plano de Governo de candidatura à Presidência da República, participação de movimentos contra retrocessos na questão ambiental como o Código Florestal, em 2012.

    Tavares tem uma ligação direta com os temas da sustentabilidade e participação relevante na articulação de um seminário sobre o Crescimento das Energias Renováveis, por meio da Câmara dos Deputados, que congregou entidades, associações, técnicos, especialista e parlamentares sensíveis ao tema de todo país.

    Cientista Político graduado pelo Centro Universitário do Distrito Federal (UDF) e Mestrando em Administração Pública e Gestão Governamental no Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), Cairo desempenha o cargo de Assessor Legislativo na Câmara dos Deputados e é o responsável por acompanhar projetos relacionados ao meio ambiente. Ele também auxiliou a Fundação da Ordem Social na construção de um projeto de agricultura sustentável.

    O domínio de instrumentos gerenciais capazes de promover a eficiência de uma instituição no pleno atendimento de sua missão com o País, é um dos fatores mais relevantes para a Administração Pública.


    1. Jair diz:

      Chicominions enfartando de novo em 3, 2, 1…


    1. Manoel Pedrosa diz:

      Currículo checheado de nada para assumir a presidencia do ICMBIO


      1. Leslie diz:

        Chicominions enfartando em 3, 2, 1…


  3. Gisele diz:

    Não vai mais ser um ruralista do PROS…vai ser um garotão "uhuuu" do PROS


  4. jaime gargioni diz:

    Boa tarde, Maria Tereza. Sua exposição é sempre muito clara, por isso mesmo me deixa esperançoso e, ao mesmo tempo, pelos seus alertas, entristecido pela falta de visão e de responsabilidades dos que decidem sobre o que pode viver e o que não tem importância alguma na visão deles. Cada dia a vida encolhe mais. Obrigado pelo alerta.


  5. Maria Tereza diz:

    Obrigada Lian querida pelo seu elogio e por concordar com o ponto de vista


  6. Lilian Zamboni diz:

    Maria Tereza, é admirável tua coragem em por o dedo na ferida de grandes questões da área ambiental. Denunciar politicagens espúrias é o primeiro passo para se evitar escolhas que podem por em risco conquistas que orgulham nosso país, como a criação de inúmeros parques nacionais, dos quais você foi a grande artífice. Parabéns pelo necessário alerta.


  7. Paulo Tarso Z.Antas diz:

    Excelente Maria Tereza. A abordagem necessária a essa questão inconcebível. Não é uma escolha política, no sentido de alguém com conhecimento de área mas dentro de um movimento de idéias semelhantes sobre a gestão etc. É para apaniguado, sabe-se lá quem e por quais razões, às vezes para se sustentar em uma boquinha, outras com interesses não explícitos e negativos. É o perigo de colocar na direção por um tempo alguém que tomará decisões realmente com potencial para se tornarem irreversíveis. Já estão colocando à frente de Unidades de Conservação pessoas por indicação com esse perfil, hora de se denunciar e se movimentar para reduzir ou evitar esse problema a mais para a conservação da natureza


    1. Maria Tereza diz:

      Obrigada Dr. Paulo Zuquim Antas.o ornilogo que mais luta pelo estabelecimento de unidades de conservação e seu manejo e implementação. Se todos fossem iguais a você….


  8. Waldemar diz:

    Defender o Icmbio não é igual defender as Ucs e a Biodiversidade. Órgão pouco eficiente, uma sinecura na mão de apadrinhados políticos desde sempre, que contam com a pouca visibilidade do órgão para nadar de braçada! Precisamos que o próximo governo refaça a estrutura de órgãos do Ministério do Meio Ambiente e seus órgãos subordinados. Aqui no Brasil, na época do Ministério do Interior/Ibdf muita coisa boa foi feita, mesmo sem toda tecnologia de hoje


    1. Maria Tereza diz:

      Oi Waldemar você levantou um ótimo ponto.
      Você sabe que Alceo Magnanini, Wanderbilt Duarte de Barros, Adelmar Coimbrã, José Cândido Melo Carvalho, grandes e honestos ambientalistas trabalharam no IBDF, autarquia do MA? Eu tive a sorte de lá trabalhar 18 anos


      1. Waldemar diz:

        Sim Maria Tereza, acompanho suas colunas aqui no Eco. Com a sua experiência, na sua visão o Icmbio é o melhor modelo de gestão fexeral das Ucs e biodiversidade? Eu acho que nao, mas também não acho certo colocar um ruralista pra comandar


  9. Andrea Ferrari diz:

    Excelente artigo! É preciso lembrar que no caso da criação das novas UCs marinhas, nós contamos com o grande ministro Sarney Filho, que estava lá graças a influência do Sarney pai no governo Temer. Não significa que Temer tem preocupações com o meio ambiente (ou nem teria sido vice de Dilma). Isso significa que corremos riscos neste momento de transição eleitoral, com ministro substituto no MMA e Temer louco para garantir sua liberdade pós fim de foro privilegiado. Temos, sim, que ficarmos muito atentos.


  10. Maximiliano diz:

    É preciso não confundir política com politicagem


  11. Miguel Milano diz:

    Maria Tereza, parabéns pela lucidez e coragem, como sempre! É isso mesmo, não é possível ter como guardião do maior tesouro do país, nossas áreas naturais protegidas, um analfabeto cientifico e político em termos de natureza e conservação. O ICMBio é daquelas instituições que requer staff com carreira de estado, inclusive na sua direção, se possível. Sim aceita-se, por razões obvias, indicação política (ainda mais no dito regime presidencialista de coalizão), mas isso não pode significar nunca entregar o cuidado do tesouro ao ladrão, do galinheiro à raposa, como diz o ditado. É preciso resistir e torcer para que, como na criação das UCs marinhas, o presidente Temer use do bom senso e escolha, indicado politicamente ou não, um bom perfil – afinal, a esperança é última que morre ainda mais nos tempos que vivemos.