Fake Sciences e manipulação tentam encobrir as queimadas na Amazônia
Lucas Ferrante
Doutorando em Ecologia do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e pesquisador associado ao Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Serviços Ambientais da Amazônia (INCT-SERVAMB) também do INPA

Fake Sciences e manipulação tentam encobrir as queimadas na Amazônia

Lucas Ferrante
domingo, 1 setembro 2019 23:27
Foto: Op VERDE BRASIL/Agência Brasil.

Você já deve ter se deparado com alguém que compartilhou alguma tabela no Instagram ou texto no Facebook com dados retirados do projeto Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), acompanhado de estatísticas que “demonstram” que não houve aumento real das queimadas ou que estão dentro da média. Mas realmente essas análises são confiáveis ou estariam certas? A resposta é NÃO!

O aumento de queimadas na Amazônia é real e atípico em 2019 em relação aos anos anteriores. Antes, é preciso deixar claro que os dados do INPE são confiáveis e verdadeiros e isto não está sendo colocado à prova. O que se questiona aqui são algumas notícias ou “pesquisadores” que têm utilizado os dados do INPE para produzir Fake Sciences que induzem o leitor a não perceber o aumento do número de focos de queimadas.

Gráfico acessado em 29/08/19: http://queimadas.dgi.inpe.br/queimadas/portal-static/estatisticas_estados/

Primeiro, a maioria das análises utiliza uma série temporal longa, com base nos dados diários dos números de focos de queimadas do projeto Queimadas do INPE e é aqui que precisamos ter a primeira cautela. De acordo com o INPE, as séries diárias utilizaram dois satélites de referência, o NOAA-12, que utiliza o sensor AVHRR de 01 junho 1998 a 03 julho 2002 e o satélite AQUA M-T, que utiliza o sensor MODIS desde 04 de julho de 2002 até a presente data. Entretanto, o maior problema em considerar análises temporais longas é que elas não distinguem outliers, ou seja, amostras anômalas como as geradas pelos anos de ocorrência de El Niño, onde devido a influência dos eventos climáticos o número de queimadas é maior, o que não é o caso de 2019.

Em segundo, análises temporais muito longas não consideram as mudanças de políticas públicas ambientais no Brasil, que tiveram um efeito significativo na redução do desmatamento e, consequentemente, na queda no número de queimadas desde 2004.

Quando observamos a série histórica para a Amazônia, vemos que 2004 e 2005 foram líderes de ocorrência de queimadas. Porém, uma nova política ambiental de redução do desmatamento foi criada nestes anos e resultou em uma diminuição significativa nas queimadas nos anos seguintes.

Desta forma, se considerarmos a série histórica entre todos os anos, não conseguimos detectar o aumento de 2019, o que já é errado pois as queimadas ocorrem essencialmente no período seco amazônico, que começa em agosto e excluiria as queimadas que ainda devem acontecer até o fim do ano. Quando comparamos os dados em um intervalo de tempo como de 1 de janeiro até 28 de agosto, ano a ano, observamos um aumento de 123% nos focos de queimadas para 2019 em relação a 2018. Sendo que 2017, apresentou 10% menos queimadas que 2016, e 2018 apresentou 37% menos queimadas que 2017, ou seja, havia uma tendência na diminuição das queimadas na Amazônia, o que faz com que o aumento de 123% seja anômalo com a tendência observada nos anos anteriores (veja a tabela a seguir extraída do próprio site do INPE).

Tabela acessada em 29/08/19: http://queimadas.dgi.inpe.br/queimadas/portal-static/situacao-atual/

O aumento de queimadas também aumentou significativamente nos outros biomas brasileiros, com exceção da Caatinga.

De olho na média

Se você se deparou com algum post no facebook ou Instagram, utilizando a tabela de série histórica e demonstrando que 2019 tem uma média de queimadas dentro da média histórica, duas coisas têm que ser consideradas. Primeiro, 2019 ainda está em agosto, o primeiro mês da seca Amazônica e onde se iniciam as queimadas, já para os outros anos, foi considerada a média total dos meses do ano. Desta forma, considerar as médias não pode ser considerada uma análise confiável, pois exclui meses de 2019 que ainda se espera um grande número de focos de queimadas e tenderia a aumentar a média de queimadas para o ano. Assim, a análise subestima a média anual do número de focos de queimadas para 2019, por não contabilizar vários meses que se espera um número maior de queimadas em relação aos primeiros meses do ano.

Comparação do total de focos ativos detectados pelo satélite de referência em cada mês, no período de 1998 até 28/08/2019.

O próprio site do INPE fornece um gráfico com as comparações de médias do número de focos de queimadas, entretanto, como já dito, 2019 AINDA não inclui os valores do mês de setembro e outubro, em que se espera um grande número de queimadas, o que tendencia a média ser um reflexo principalmente dos primeiros meses do ano, que estão na estação chuvosa amazônica e não apresentam um grande número de focos de queimadas. (Gráfico de médias extraído do próprio site do INPE segue abaixo).

Gráfico acessado em 29/08/19: http://queimadas.dgi.inpe.br/queimadas/portal-static/estatisticas_estados/

Se você ainda não está convencido, façamos uma conta juntos, vamos trabalhar com os dados de 2004, o ano com maior pico de queimadas da história. Agora, faça uma média entre todos os meses de 2004 e uma segunda média considerando os meses de janeiro até agosto. Considerando todos os meses, a média é de 18.220 focos de queimadas, se considerar as médias de janeiro a agosto do mesmo ano você terá 9.980 focos de queimadas, ou seja, a média é o dobro do valor quando acrescentados todos os meses da seca amazônica, onde ocorrem mais queimadas (Veja os resultados a baixo).

Para 2004

JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Médias
2178 805 1035 1012 3131 9179 19179 43320 71522 23929 26424 16924 18220
2178 805 1035 1012 3131 9179 19179 43320 9980

Se ainda não está convencido, vejamos com os dados de 2018. A média de focos de queimadas considerando todos os meses de 2018 é de 5.695 focos de queimadas, mas quando consideramos os dados de janeiro a agosto a média é de 2.771 focos de queimadas, novamente metade do valor, pois excluiu os meses com maior número esperado de focos.

Para 2018

JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Médias
1444 888 1359 513 772 1980 4788 10421 24803 10654 8881 1842 5695
1444 888 1359 513 772 1980 4788 10421 2771

Vendo estas análises e sabendo que a comparação de médias de número de focos até este agora ignora o período da seca amazônica, onde ocorrem mais focos de queimadas, observamos que esta não é uma análise adequada para determinar se as queimadas aumentaram ou diminuíram. Isto ainda nos revela o pouco conhecimento estatístico e sobre a Amazônia ou má intenção de “profissionais” da área ambiental que utilizam os dados do INPE de forma inadequada para sugerir que não houve um aumento dos focos de queimadas em 2019.

Compartilhar análises que não tenham como fonte artigos científicos revisados pelos pares e publicados em revistas indexada não contribuem para as políticas ambientais do Brasil ou esclarecimento da população. Nos últimos dias, temos observado pessoas e empresas compartilhando publicações que não refletem a realidade da situação Amazônica. Isto indica apenas dois cenários, uma intenção maliciosa de esconder o retrocesso ambiental ou falta de capacidade técnica em analisar os dados de forma crítica por aqueles que publicam estas “informações”. Entender o retrocesso ambiental que o Brasil vive é crucial se desejamos preservar a Amazônia.

As opiniões e informações publicadas na área de colunas de ((o))eco são de responsabilidade de seus autores, e não do site. O espaço dos colunistas de ((o))eco busca garantir um debate diverso sobre conservação ambiental.

 

 

Saiba Mais

O novo presidente do Brasil e “ruralistas” ameaçam o meio ambiente, povos tradicionais da Amazônia e o clima global – Lucas Ferrante e Philip Martin Fearnside

Leia Também 

Pecuarista que acusou ICMBio de promover “dia do fogo” tem multa por queimada

Pesquisadores descrevem fenômeno que escureceu SP e sua relação com as queimadas na Amazônia

Ambientalistas não podem ser negacionistas

 

16 comentários em “Fake Sciences e manipulação tentam encobrir as queimadas na Amazônia”

  1. O fato é que a credibilidade do INPE, de pesquisadores, de comentaristas, de ambientalistas , por conta da militância da resistência está em cheque e nunca se viu uma perda de credibilidade tão avassaladora, a ponto de palavra de "especialista" ser motivo de chacota e desconfiança.
    A dificuldade de se identificar o que é incêndio natural em ecossistemas da Amazônia Legal e Internacional que possuem o fogo como parte de seu ciclo, de queimadas legais, de queimadas ilegais e de acidentes provocados por descuidos ou negligência, assim como a contaminação de incêndios de países vizinhos para estados fronteiriços da Amazônia Legal e o débito político ao atual governo, só confirma a desonestidade intelectual de tantos atores, com direito a procissão de ex-ministros de Meio Ambiente que colaboraram para o descalabro e aparelhamento da questão ambiental do país.
    Quando o cidadão comum descobre que o Earth Observatory da NASA coloca que os incêndios estão abaixo da média dos últimos 15 anos (https://bit.ly/2lq6PiN ) e SEAE da União Europeia refere que área com queimadas no Brasil teve um decréscimo entre janeiro e agosto de 2019 ante o mesmo período de 2018 (https://bit.ly/2jYnxWc), é evidente que a fake science é relacionada com a "resistência" e não o contrário. contribuindo com mais um prego no caixão da imagem do ambientalismo brasileiro.

    • Flavio, tentei acessar as suas fontes isentas de informação, mas elas não estão disponiveis. Como alcanço estes dados que você citou, da NASA e do SEAE da União Européia ?

    • É muito interessante essa argumentação, criticando "aparelhamento", acusando de desonestidade, de mentirosos, técnicos nacionais reconhecidos no mundo utilizando somente retórica, explicações vagas, pondo a culpa nos "vizinhos", enquanto que o artigo que supostamente estaria sendo comentado mostra evidências, dados numéricos pelos quais dezenas de especialistas nacionais que colheram e analisaram as informações , tem responsabilidade inclusive legal pelos resultados!!! Quem seria esse comentarista? Que fundamentos materiais e que conhecimento técnico tão profundo ele teria para sugerir o "sepultamento" dos ambientalistas brasileiros? Por favor!!!! Sinceramente, já estamos cheios de ler críticas juvenis, baseadas em leituras rápidas em sites "a la carte" que se espalham pela web!!!!

      • Já se sabe que os incendios que geraram a histeria e manipulação começar m na Bolívia, cujo governo está licenciado areas para expansão da plantação de coca (procure fontes de Bolivia).
        Agora o choro é livre, mas é fato os desmentidos e a erosão da credibilidade tanto do ambientalismo quanto de atores que surfaram na era PT. É um caminho sem volta e o momento deveria ser de reflexão sem críticas af hominen por falta de argumentos…

        • Fávio, qual sua capacidade de análise gráficos? Você colocu as fontes tem repetido o que apoiadores do Bolsonaro fazem sempre. Replicam. Por favor, assista o vídeo do "Canal do Pirula" (https://www.youtube.com/watch?v=-YooFszhzj4) e me diga o que tem de errado na análise dos gráficos por parte dele e se você não está completamente em sua visão limitada do tema.

    • Acredito que o texto foi formado por pessoas com um vocabulário muito rico. Entretanto com uma desonestidade e a falta de uma pessoa com capacidade de analisar gráficos. No vídeo do "Canal do Pirula" (https://www.youtube.com/watch?v=-YooFszhzj4) ele faz uma análise bem crítica em relação aos gráficos que o senhor/grupo apontam, deve ser olhado com mais cuidado.

    • Ou é um perfil pago para falar bobagens ou é um girino de Olavo. A repetição literal de termos copiados e colados dos textículos do Olavo denuncia a origem de rola-bosta, que cresceu comendo excrementos. Não denota riqueza de vocabulário, como dito abaixo. Denota apenas macaquice imitando trejeitos, o uso de fontes não confiáveis ou nada realistas, além da tentativa de desmerecer o que não entende. Olavista bolsominion adestrado.

  2. Quem mora na região como nos e passou a última semana combatendo incêndios sabe que desde 2010 não é tão ruim.

    Só que em 2010 foi o ano mais seco de nossa série histórica, que começa em 1998. Este ano, pelo contrário, foi menos seco que a média.

    O pior é ver gente de nossa região, também engasgando na fumaça, e postando que as queimadas são fake news.

  3. Talvez os incêndios agora estejam piores devido à atuação de incendiários criminosos atuando atualmente na Amazônia, na maioria das vezes numa clara tentativa de prejudicar o governo do Presidente Bolsonaro.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.