Desfrute agora e colha o retorno em ecoturismo no futuro

Brett Myrdal*
terça-feira, 10 junho 2014 21:58

Turistas no Kruger Park, o parque mais famoso da África do Sul. Eles vieram, viram e voltaram. Foto:
Turistas no Kruger Park, o parque mais famoso da África do Sul. Eles vieram, viram e voltaram. Foto:

O ICMBio, órgão federal de conservação do Brasil, pode aprender com a experiência da principal agência da África do Sul conservação, SANParks (South African Parks), e como a experiência que ela ganhou na Copa do Mundo de 2010.

A SANParks deriva 85% de sua renda a partir de receitas do turismo e estava bem preparada para aproveitar os esperados 400 mil visitantes que vieram para o longo torneio de um mês, em junho-julho de 2010. Telões foram erguidos em algumas das áreas turísticas dos parques nacionais e preparou-se alojamentos extras e pacotes turísticos especiais.

Mas a surpresa foi que, quando os 309 mil visitantes da Copa do Mundo chegaram, eles ficaram apenas por 10 noites, em média, e passaram a maior parte de seu tempo e dinheiro seguindo as suas seleções de futebol de estádio para estádio, viajando de cidade em cidade, com pouco tempo para viajar para os parques nacionais no campo.

Frutos da Copa

No entanto, a melhor notícia foi que, apesar da recessão global, o número de turistas na África do Sul continuou crescendo em 2011, 2012 e 2013.

A taxa de crescimento turístico da África do Sul em 2012 foi mais do que o dobro da taxa de crescimento turístico global média, de cerca de 4%, estimada, em 2012, pela Organização Mundial de Turismo das Nações Unidas.

Em 2012, a África do Sul viu particularmente bom crescimento turístico de pessoas que vêm de fora do continente Africano. Esse turismo cresceu 15,1%, uma das maiores taxas do mundo no ano passado.

Apesar da recessão global e da inflação local, a SANParks conseguiu crescer sua ocupação média unitário em 70%.

A lição é que para o SANParks a parte importante da Copa do Mundo não foi o torneio, mas sim a oportunidade de se colocar no mercado e preparar a SANParks para aproveitar o crescimento futuro dos visitantes para a África do Sul e, assim, também aumentar o turismo nos parques sul-africanos e reforçar o apoio para a conservação.

 

*Brett Myrdal é Gerente Geral da Unidade de Pesquisa em Planejamento Ambiental dos parques nacionais Sul-Africanos (SANParks)

 

 

Leia também
O Brasil se esconde como o Tatu
Visitação é essencial nos parques estaduais do Rio de Janeiro
Precisamos de mais visitantes nas unidades de conservação

 

 

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.