Colunas

Desmatamento menor, diagnóstico insuficiente

O Ministério do Meio Ambiente acaba de divulgar números que mostram a redução de perda de biomas, mas parece que se esqueceu de divulgar os dados alarmantes

11 de fevereiro de 2012 · 10 anos atrás
  • Gustavo Geiser

    Engenheiro agrônomo com mestrado em Agroecossistemas pela Universidade Federal de Santa Catarina, trabalha na Polícia Federal...

Não tem mesma publicidade, mas o Cerrado está perdendo mais área do que a Amazônia. Foto: Danilo Alves.

Ontem (09), o Ministério do Meio Ambiente divulgou o resultado do acompanhamento da supressão vegetal nos biomas brasileiros, para os anos de 2008 a 2009. Ainda que com dados não tão recentes, esse é um excelente trabalho da equipe que o realizou. Porém, infelizmente, já de início, senti que o tom da nota de divulgação pretendia mais comemorar do que informar, pois enfatiza os biomas com bons números (Pampas, Mata Atlântica e Pantanal), e não os demais.

É amplamente conhecido que, além da Amazônia, os biomas mais desmatados são o Cerrado e a Caatinga. Entretanto, curiosamente, eles tiveram bem menos destaque na nota, e sequer receberam na notícia um tópico a parte, ou um link para apresentação detalhada.

Os números são do Projeto de Monitoramento por Satélite do Desmatamento nos Biomas Brasileiros, realizado pela Secretaria de Biodiversidades e Florestas em parceria com o Ibama. A melhor notícia é termos, finalmente, conseguido frear o desmatamento na Mata Atlântica, uma grande vitória. Resta agora combatermos a degradação (como o roubo de palmito e a caça) e cuidarmos dos pequenos fragmentos, impossíveis de serem mapeados por esse estudo, dada a limitação das imagens Landsat. Provavelmente, a proximidade do homem, com degradação e pressão imobiliária, será o maior inimigo da preservação desse bioma.

“O MMA deveria destacar, por exemplo, que o Cerrado perdeu assustadores 0,37% da área em um ano. Esse é um percentual 18,5 vezes maior do que os 0,02% da Mata Atlântica.”

Porém, o estudo deixa de dizer a que veio, já que imaginávamos que visava explicitar onde estão ocorrendo os crimes ambientais a serem combatidos. O MMA deveria destacar, por exemplo, que o Cerrado perdeu assustadores 0,37% da área em um ano. Esse é um percentual 18,5 vezes maior do que os 0,02% da Mata Atlântica. Ao contrário dela, o Cerrado ainda sofre forte pressão para a abertura de novas áreas para agricultura e pecuária. Já a Caatinga, que também ninguém liga, ocupa, em percentual o segundo lugar, com 0,23% da sua área perdida em um ano.

Apenas no último parágrafo se informam os números absolutos, onde verificamos que o desmatamento dos pampas, pantanal, e mata atlântica, juntos, correspondem a menos de 10% da área devastada do bioma cerrado. A nota afirma ter sido desmatados 7.637 km2 do cerrado, 7.464 km2 da Amazônia, 1.921 km2 de Caatinga, 331 km2 dos Pampas, 248 km2 de Mata Atlântica, e 118km2 do Pantanal. Não citam dados acerca de manguezais e restingas. Note-se que o Cerrado perdeu mais área total do que a Amazônia.

Nos biomas com campos nativos, ou seja, o pantanal e os pampas, os relatórios não explicam também se alterações nas pastagens, com introdução de gramíneas exóticas e consequente supressão da vegetação nativa, foram considerados “desmatamentos” ou não, o que pode indicar que esses números estejam subdimensionados. Isso lembra o quão inadequado é o termo “desmatamento”.

Ou seja, é bom ver, finalmente, dados públicos da situação dos diversos biomas, mas falta ainda ao Estado dar a devida importância para o diagnóstico, em vez de se limitar a usar as boas notícias como demonstração do seu sucesso, e jogar para debaixo do tapete os números ruins.

Conclusão? Ainda não dá para comemorar.

 

 

Leia também

Notícias
19 de setembro de 2021

Exaustão e calor: a rotina dos bombeiros que combatem incêndios no Pantanal

Acompanhamos um dia de trabalho dos bombeiros da SOS Pantanal no Parque Estadual das Águas. Distância e tempo seco tornam o trabalho complexo

Análises
17 de setembro de 2021

O Brasil no coração da conservação mundial da natureza

O Congresso da IUCN anunciou a agenda de conservação da natureza para a próxima década, invocando os governos a empreender uma recuperação baseada na natureza no pós-pandemia

Notícias
17 de setembro de 2021

Ministério cria programa para fazer o que a Agência Nacional de Águas já faz

Lançado nesta sexta (17), o Rio+Limpos tem como objetivo disponibilizar dados sobre qualidade das águas e fomentar ações de melhoria e saneamento, competências historicamente feitas pela ANA

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta