Colunas

Desgraçados e fantasiados

Invasores de um parque municipal de Porto Alegre agridem o secretário de Meio Ambiente e saem ilesos de complicações. Eles têm a lei a seu favor. São índios.

8 de junho de 2005 · 16 anos atrás
  • José Truda Palazzo, Jr.

    José Truda é jardineiro, escritor, consultor em meio ambiente especializado em conservação marinha e tratados internacionais, e indignado.

Não é de hoje que a natureza brasileira vem sendo vítima de um tipo de depredação insidiosa, generalizada – e o que é pior – apoiada pelos governantes demagogos que sofremos e pelas ONGs “politicamente corretas” que preferem uma boa figura a uma árvore de pé. A matança de fauna, a ocupação de Unidades de Conservação, o tráfico de madeira e a depredação de recursos pesqueiros têm sido praticados por parte das ditas “comunidades tradicionais” – ou seja, índios, pescadores “artesanais”, “caiçaras” e outros grupos sociais mal definidos, mas cuja pobreza material aparente parece absolver de todo crime contra o patrimônio natural comum.

A agressão covarde e criminosa ao Secretário Municipal de Meio Ambiente de Porto Alegre, Alberto Moesch, há poucos dias, pelos “índios caingangues”, é só o resultado natural de dar tanto palanque para quem não merece. Os tais “índios” se enfurnaram no Parque Municipal do Morro do Osso com seus barracos alegando “direitos ancestrais” para arrebentar o pouco que resta de natureza no meio urbano porto-alegrense. E o Secretário foi brutalmente agredido por uma canalha que se acha acima da lei, e, pior, do interesse público e dos direitos de todos nós à proteção do patrimônio natural.

Por todo o país, grupos que cospem no Direito e na cidadania, cada vez que se travestem com cocares ou pinturinhas de livro infantil, estão gerando um histórico de agressões criminosas à natureza. Começou nos 500 anos, com a ocupação lesa-pátria do Parque Nacional do Monte Pascoal, de onde até hoje os invasores não foram expulsos. Segue em “reservas extrativistas” como Arraial do Cabo, onde a população “tradicional” de pescadores vem escangalhando a fauna marinha enquanto se perturba, atrapalha e proíbe o mergulho recreativo. E continua em casos de polícia como o de Porto Alegre, sem que ONG alguma tenha a coragem de peitá-los e à safada política de imobilismo oficial que os defende.

Ao agredir a sociedade no presente e comprometer o futuro em nome de “reparar erros do passado” contra as verdadeiras comunidades indígenas, estamos gerando uma cultura de abusos, impunidade e crime para beneficiar bolsões de gente que de índio, tradicional ou harmônico com a natureza, não tem nada além de uma vaga cor da pele – e, até onde sei, isentar pessoas do cumprimento da lei pela cor da pele é racismo, um crime a mais. É hora de dar um basta a essa bandalheira.

Leia também

Notícias
21 de junho de 2021

Estado do Rio reconhece sua 100ª reserva particular

A marca da centésima Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) foi alcançada na última semana. Reservas correspondem a mais de 8.400 hectares protegidos no estado

Reportagens
21 de junho de 2021

Coalizão entre ciência e sociedade acena com esperança para a Baía de Guanabara

Universidade do Mar buscará potencializar parcerias para enfrentamento da problemática socioambiental da baía mais populosa e degradada do Estado do Rio de Janeiro

Salada Verde
21 de junho de 2021

Salles exonera superintendente do Ibama no Acre

Helen de Freitas Cavalcante ficou três meses no cargo. Antes de assumir a superintendência do Ibama, advogada atuava na defesa de infratores ambientais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta