Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Vídeo: Qual a importância dos guarda-parques para a gestão das Unidades de Conservação? por André Ilha

Daniele Bragança (Texto), Márcio Lázaro (Vídeo e Edição)
domingo, 15 abril 2018 22:18

Esqueça a figura do guarda-parque com roupa camuflada e um fuzil na mão, pronto para atirar no primeiro caçador que vê pela frente. Para o montanhista e ex-diretor de Biodiversidade e Áreas Protegidas do Instituto Estadual do Ambiente (INEA), André Ilha, esse profissional, imprescindível para o bom funcionamento de uma unidade de conservação, é muito mais o trabalhador que dará auxílio ao visitante e atuará em defesa da integridade do ambiente do que um “Rambo” em uma guerra particular.  

Formado em administração de empresas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Ilha é auditor-fiscal da Receita Federal desde abril de 1987. É montanhista há mais de 40 anos. Fundou, em 1990, o Grupo Ação Ecológica (GAE), ONG ambientalista atuante no estado, organização que presidiu três vezes. Foi presidente do Instituto Estadual de Florestas do Rio de Janeiro; Superintendente de Biodiversidade da Secretaria de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro; e Diretor de Biodiversidade e Áreas Protegidas do INEA de 2009 a 2014.

Assista:

 

Leia Também

Vídeo: Por que a proibição de pesca é importante para a conservação do mero? por Jonas Leite

Vídeo: O que são Florestas Vazias e por que isto é um problema ambiental? por Fernando Fernandez

Os verdadeiros guardiões das florestas

 

4 comentários em “Vídeo: Qual a importância dos guarda-parques para a gestão das Unidades de Conservação? por André Ilha”

  1. Meu caro Andre vejo você falando a respeito dos Guardas parques, em não trabalharem armados ,pois bem trabalho em uma unidade de conservação onde ja houve seis homicídios em um deles nos deparamos com o autor na Sena do crime ,so não viramos vitima pelo fato do crime ter ocorrido com arma branca ou seja a faca,se tivesse ocorrido com arma de fogo seriamos mais uma vitima sem chance de defesa como prega seu discurso. .Entao meu caro Andre nao julgue a realidade dos guardas parques do Brasil por fatos e desacertos ocorridos no RJ ..Os guardas parques do Brasil e do mundo precisa trabalhar armados sim ,porque bandido não deixa testemunhas nenhum caçador ira para o mato com intuito de conversar com quem fiscaliza ,em países civilizados Guardas parques trabalham armados e treinados como deve ser em qualquer lugar no mundo onde se leva a serio a proteção ao meio ambiente, quem e contra isto ,esta brincando em fazer proteção ou não leva a serio a vida de quem acredita na proteção dos recurso naturais ..

    Responder
  2. Caro Marcos,
    Eu defendo que EM PRINCÍPIO guarda-parques devem, sim, trabalhar desarmados. Mas admito que existem certas situações em que isso não é desejável, portanto em caráter EXCEPCIONAL concordo com você que essa regra deve ser flexibilizada. Eu nunca "brinquei de fazer proteção", e todos os servidores que trabalharam comigo no Inea sabem o quanto eu me preocupava com a segurança deles.
    Abraços!

    Responder
  3. É, mas do jeito que tá agora no INEA/RJ, nenhum guarda-parque lavra auto nenhum, afinal, são agentes de defesa ambiental terceirizados. Só lavra auto basicamente alguns dos chefes alguns e analistas que estão lotados nas unidades. E a Upam? Até faz alguma coisa, mas nada do que eles fazem gera ações de recuperação as áreas afetadas. Tá feia a coisa pras UCs do Rio…

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.