Rompimento de barragem em Brumadinho destruiu mais de 200 hectares
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Rompimento de barragem em Brumadinho destruiu mais de 200 hectares

Sabrina Rodrigues*
segunda-feira, 4 fevereiro 2019 17:57
Imagem de como ficou a área 2 dias após o rompimento da barragem da mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Foto: Ibama/Divulgação.

O rompimento da barragem da mineradora Vale, em Brumadinho (MG), destruiu pelo menos 269,84 hectares de vegetação. Os dados foram obtidos através de imagens de satélite. O Centro Nacional de Monitoramento e Informações Ambientais (Cenima) do Ibama apontou que grande parte da área devastada era de vegetação nativa de Mata Atlântica.

O Cenima identificou que os rejeitos de mineração destruíram 70,65 hectares de Áreas de Proteção Permanente (APP) ao longo de cursos d’água afetados pelos rejeitos de mineração.

A análise foi realizada no trecho da barragem da mina Córrego do Feijão até a confluência com o rio Paraopeba. Foram comparadas imagens  obtidas dois dias após o rompimento com imagens de 3 e 7 dias antes da tragédia.

O Ibama informa que está preparando um laudo técnico em que avaliará os impactos ambientais causados pelo rompimento da barragem da mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, ocorrido na sexta-feira (25), com previsão de conclusão para os próximos dias.

A Vale foi multada pelo Ibama em R$ 250 milhões por danos ambientais.

Imagem aponta como estava a área 3 dias antes da tragédia. Foto: Ibama/Divulgação.

*Com informações da Assessoria de Comunicação do Ibama.

 

Leia Também

Expansão de mineração em Brumadinho foi aprovada com licença simplificada

Lama de Brumadinho deve chegar ao rio São Francisco em até três semanas

Barragem em Brumadinho causou perda de 125 hectares de florestas, diz WWF

 

1 comentário em “Rompimento de barragem em Brumadinho destruiu mais de 200 hectares”

  1. 200 hectares? 269 ha? Aqui mesmo ao final da matéria tem um link informando que a WWF estimou em 125ha! Ou seja, esse povo do "geoprocessamento" não consegue se entender numa escala de poucas dezenas de hectares, e depois vem dizer que conseguem medir com precisão o desmatamento na Amazônia inteira!!! Complicado, hein !?

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.