Governo revogará decreto que extingue Renca
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Governo revogará decreto que extingue Renca

Sabrina Rodrigues
segunda-feira, 25 setembro 2017 23:39
Depois de muita polêmica e repercussão negativa, governo decide revogar decreto que extingue Renca. Foto: Jeso Carneiro/Flickr.
Depois de muita polêmica e repercussão negativa, governo decide revogar decreto que extingue Renca. Foto: Jeso Carneiro/Flickr.

O governo federal deve publicar nesta terça-feira (26), no Diário Oficial, a revogação do decreto que extinguiu a Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca). A informação foi confirmada pelo Ministério das Minas e Energia, que prepara o texto do novo decreto.

Segundo a avaliação do governo é que houve uma “incompreensão geral” sobre o tema e que é melhor evitar o desgaste neste momento de impopularidade do Presidente Michel Temer e de turbulência política na qual está inserido o seu nome.

A decisão ocorre após repercussão negativa desde a publicação do decreto nº 9.142/2017, há um mês. O dispositivo permitia a empresas a exploração de mineração na Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), uma área de 4,7 milhões de hectares, situada na divisa entre o Pará e o Amapá.

A Renca fica numa das áreas mais conservadas da Amazônia. Embora uma pequena parte, que não chega a 3% de todo o território, sofra com garimpo ilegal, a existência da proibição de exploração por empresas mineradoras manteve o local, rico em ouro, minério de ferro, níquel, manganês e tântalo, extremamente preservado.

Na Renca, foram criadas sete Unidades de Conservação sobrepostas ao local, sendo três de proteção integral — Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque (AP), Estação Ecológica do Jari (PA) e a Reserva Biológica Maicuru (PA) –, e quatros unidades de uso sustentável: Reserva Extrativista Rio Cajari (AP), Floresta Estadual do Paru (PA), Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Iratapuru (AP) e Floresta Estadual do Amapá. Além das áreas protegidas, existem duas terras indígenas na área.

“Trata-se de uma área bem conservada e com baixo índice de desmatamento. Além disso, é habitada por populações indígenas, extrativistas e ribeirinhos. Nada disso pesou na decisão do governo de abrir a reserva para atividades de alto impacto socioambiental”, lembrou Jaime Gesisky, coordenador do relatório do WWF-Brasil.

A abertura para a exploração mineral, com parecer contrário do próprio Ministério do Meio Ambiente, pegou os ambientalistas de surpresa. Houve protestos e mobilização de artistas e políticos da oposição.

O governo tentou explicar que a extinção da Renca não ameaçaria as Unidades de Conservação ali criadas e até decretou outra portaria, cinco dias após a publicação do primeiro decreto, para deixar claro que não haveria exploração de mineração em unidades de conservação ambiental e terras indígenas. O primeiro recuo não convenceu.

Houve outro. Após mais protestos, o Ministério de Minas e Energia decidiu paralisar todos os procedimentos relativos à exploração minerária dentro da Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca) por 120 dias.

As vozes contrárias se estenderam até o palco do maior festival de música do ano, o Rock in Rio 2017, onde nem a recente onda de violência na segunda maior favela do Rio de Janeiro roubou a hegemonia da Amazônia nos apelos dos músicos.

 

Leia Também

Extinção de reserva mineral contrariou parecer do MMA

Justiça do Amapá anula decreto que extingue Renca

Temer revoga decreto, mas mantém extinção da Reserva de Cobre

1 comentário em “Governo revogará decreto que extingue Renca”

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.