Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Chefe do IBAMA na Parnaíba é preso por comércio ilegal de madeira

Sabrina Rodrigues
quarta-feira, 3 abril 2019 19:54
Esquema de comércio ilegal de madeira envolvia os recebimentos de propina de fiscais do Sefaz do Piauí e do Ibama. Foto: Pixabay.

Uma ação da Polícia Federal realizada nesta quarta-feira (03), no Piauí, resultou no cumprimento de 17 mandados de prisão de suspeitos de participar de um esquema de comércio ilegal de madeira. Entre os presos estão o vereador do município de Buriti dos Lopes, o chefe da unidade do Ibama em Parnaíba e um servidor do órgão, dois fiscais da Secretaria de Fazenda (Sefaz), cinco empresários e um policial militar e terceirizados.

A operação KIZHI desmantelou a organização criminosa que atuava nos estados da Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Piauí e Rio Grande do Norte. A investigação, que começou em 2017, identificou o pagamento de propina a fiscais da Secretaria de Fazenda para facilitar a entrada da madeira ilegal no Piauí, que vinha do estado do Pará. A rede de corrupção atuava também no escritório do Ibama em Parnaíba para favorecer o transporte ilegal de madeira. Notas fiscais eram produzidas com dados falsos sobre espécie, quantidade e valor da mercadoria.

O papel do policial militar no esquema era avisar aos madeireiros qual era o melhor horário para o caminhão passar e quando o fiscal não estava presente.

Os presos não tiveram os seus nomes divulgados. A Sefaz do Piauí afirma que os três funcionários terceirizados envolvidos com a quadrilha foram demitidos e que os servidores do órgão irão responder a um processo administrativo.

 

Leia Também

PF desmonta esquema de exploração ilegal de madeira no Amapá

Ibama apreende madeira ilegal em 17 serrarias em Roraima

Megaoperação combate extração de madeira ilegal em áreas protegidas do Maranhão

 

1 comentário em “Chefe do IBAMA na Parnaíba é preso por comércio ilegal de madeira”

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.