Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Baleia é encontrada morta com 6 quilos de plásticos no estômago

Sabrina Rodrigues
quarta-feira, 21 novembro 2018 16:39
Equipes de resgate do Parque Nacional Marinho de Wakatobi, no sudeste de Sulawesi, na Indonésia, encontraram uma carcaça apodrecida de uma baleia cachalote (Physeter macrocephalus) de 9,5 metros na ilha Kapota. Foto: Kartika Sun olang/WWF-Indonésia/Facebook

Equipes de resgate do Parque Nacional Marinho de Wakatobi, no sudeste de Sulawesi, na Indonésia, encontraram uma carcaça apodrecida de uma baleia cachalote (Physeter macrocephalus) de 9,5 metros na segunda-feira (19). O animal, localizado nesta segunda-feira (19) na ilha Kapota, dentro do parque, tinha seis quilos de plásticos no estômago.

Entre os itens estavam 115 copos plásticos, quatro garrafas de plástico, 25 sacos de plástico, dois chinelos, um saco de nylon e mais de 1.000 outras peças variadas de plástico.

Foto: Kartika Sun olang/WWF-Indonésia/Facebook

Ambientalistas da ONG WWF-Indonésia e do parque não souberam determinar se os plásticos causaram a morte da baleia por causa do estado avançado de decomposição do animal, mas é provável que a ingestão de tanto lixo tenha matado a baleia.

O ministro coordenador dos Assuntos Marítimos da Indonésia, Luhut Binsar Pandjaitan, que fez campanha pelo uso reduzido de plásticos,  espera que a tragédia sirva para conscientizar a população sobre a necessidade de diminuir o uso desses itens.

Resíduos sólidos jogados nos oceanos estão entre as maiores ameaças à vida marinha.

 

 

Assista ao vídeo do cachalote encontrado:

 

Foto: Kartika Sun olang/WWF-Indonésia/Facebook.

 

Foto: Kartika Sun olang/WWF-Indonésia/Facebook.

 

Dentro do estômago do animal foram encontrados seis quilogramas de plásticos. Foto: Kartika Sun olang/WWF-Indonésia/Facebook.

 

Leia Também

Baleia morre após ingerir 80 sacolas plásticas

Vídeo: Como resolver o problema do lixo no mar? por Alexander Turra

Ártico é ralo global de lixo plástico, dizem cientistas alemães

 

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.