Atividades predatórias na Amazônia são alvo de críticas no segundo dia de Sínodo
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Atividades predatórias na Amazônia são alvo de críticas no segundo dia de Sínodo

Sabrina Rodrigues
terça-feira, 8 outubro 2019 20:49
Dom Cláudio Hummes sentado ao lado do Papa Francisco no primeiro dia do Sínodo da Amazônia. Foto: Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

As atividades predatórias na Amazônia foram um dos assuntos mais comentados durante o Sínodo desta terça-feira (08). A reunião episcopal que acontece desde o domingo, no Vaticano, e que agrega mais de 250 participantes, citou a mineração, a agropecuária e o desmatamento, exercidos de forma ilegal como as principais ameaças à região e que ações acontecem predominantemente em terras indígenas.

Em entrevista para a imprensa, o cardeal peruano Pedro Ricardo Barreto Jimeno, Arcebispo de Huancayo, no Peru e um dos fundadores da Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM), afirmou que manteve contatos com povos indígenas e percebeu que eles estavam felizes em partilhar seus problemas. A fala de uma índia chamou muita atenção do cardeal: “os políticos não têm tempo para nos escutar, mas o Papa Francisco tem”. Ao perguntar para os indígenas o que querem com a realização do Sínodo para Amazônia, a principal resposta foi: ‘nos traz de volta a esperança”, afirmou o Arcebispo de Huancayo.

A vida na Amazônia nunca este tão ameaçada

Arcebispo de Huancayo, no Peru, dom Pedro Barreto Jimeno.
Foto: Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Na segunda-feira (07), primeiro dia de trabalhos no Sínodo da Amazônia, o cardeal dom Cláudio Hummes, relator-geral do evento, fez um duro discurso contra as ameaças aos povos da Amazônia. “A vida na Amazônia talvez nunca tenha estado tão ameaçada como hoje, pela destruição e exploração ambiental, pela violação sistemática dos direitos humanos elementares da população amazônica, de modo especial, a violação dos direitos dos povos indígenas”, afirmou o cardeal.

“Na Amazônia a ameaça à vida deriva de interesses econômicos e políticos dos setores dominantes da sociedade atual, de maneira especial de empresas que extraem de modo predatório e irresponsável, legal ou ilegalmente, as riquezas do subsolo e da biodiversidade (…) “muitas vezes em conivência ou com permissividade dos governos locais e nacionais e por vezes até com o consenso de alguma autoridade indígena”, declarou dom Claudio.

Como exemplo de ameaças à região amazônica e a seus povos, Dom Cláudio Hummes citou o aumento do desmatamento na floresta amazônica, o crescimento de invasões, assassinato de líderes indígenas, grandes empreendimentos como hidrelétricas e violência contra moradores na parte brasileira do bioma.

O Sínodo vai até o dia 27 de outubro. Mais de 80 mil pessoas foram ouvidas nos nove países da Amazônia e as questões e anseios dessas populações foram levadas para serem debatidas no evento.

 

Leia Também

O que é o Sínodo da Amazônia e porque o evento preocupa o governo Bolsonaro?

Organizações criminosas e impunidade impulsionam desmatamento na Amazônia, diz relatório

Papa entra na política do clima e cobra países ricos

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.