Relatório indica lacunas no monitoramento de qualidade do ar
((o))eco Data
Plataforma de jornalismo de dados do site ((o))eco. Por Daniel Santini

Relatório indica lacunas no monitoramento de qualidade do ar

Daniel Santini
segunda-feira, 9 junho 2014 17:08

Em tese, qualquer pessoa que vive em áreas poluídas deveria ter direito a informações sobre a qualidade do ar que respira. Em 1989, o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) emitiu a resolução nº5/1989, determinando a criação de uma “Rede Nacional de Monitoramento da Qualidade do Ar”, que permitiria o “acompanhamento dos níveis de qualidade do ar e sua comparação com os respectivos padrões estabelecidos”, e também de um “Inventário Nacional de Fontes e Emissões objetivando o desenvolvimento de metodologias que permitam o cadastramento e a estimativa das emissões, bem como o devido processamento dos dados referentes às fontes de poluição do ar”.

Imagem da capa do relatório.
Imagem da capa do relatório.

No papel, até existe o Sistema Nacional do Meio Ambiente – SISNAMA (formado por “órgãos e entidades da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Territórios e dos Municípios, bem como as fundações instituídas pelo Poder Público, responsáveis pela proteção e melhoria da qualidade ambiental”, conforme a lei nº 6.938/1981), e regras para garantir a divulgação de informações de interesse público.

A lei nº 10.650/2003 prevê que os órgãos ambientais competentes integrantes do Sisnama deverão elaborar e divulgar relatórios anuais relativos à qualidade do ar e da água e, na forma da regulamentação, outros elementos ambientais”. E a lei nº 12.527/2011 prevê que “é dever dos órgãos e entidades públicas promover, independentemente de requerimentos, a divulgação em local de fácil acesso, no âmbito de suas competências, de informações de interesse coletivo ou geral por eles produzidas ou custodiadas” e que “os órgãos e entidades públicas deverão utilizar todos os meios e instrumentos legítimos de que dispuserem, sendo obrigatória a divulgação em sítios oficiais da rede mundial de computadores (internet)”. No papel, as regras para criação de uma rede aberta de dados ambientais existem e são claras.

Na prática, no que tange à poluição do ar, porém, o Brasil ainda está longe de ter um sistema nacional. Segundo o Primeiro Diagnóstico da Rede de Monitoramento da Qualidade do Ar no Brasil, feito pelo Instituto de Energia e Meio Ambiente, apenas doze Estados fazem monitoramentos com alguma regularidade e, mesmo entre esses, há problemas na maneira como os dados são coletados e apresentados. O diagnóstico é especialmente grave considerando que, onde o monitoramento é possível, a análise dos dados indica que as “concentrações [dos poluentes PTS fumaça, MP10, PP2,5 e O3] têm superado os padrões vigentes no país, os internacionais e as recomendações da OMS”.

Confira na linha do tempo e no mapa abaixo, organizado em infográfico pelo eco Data a partir dos dados do estudo, onde estão localizados e quando foram implementados os sistemas de monitoramento estaduais. Clique nas datas e no mapa para navegar.

Entre os principais desafios enfrentados por gestores públicos federais, estaduais e municipais envolvidos com o tema estão “dificuldades gerenciais e baixo número de técnicos, assim falta de recursos para a aquisição de equipamentos e manutenção das redes”. As dificuldades financeiras, segundo o estudo, têm levado alguns estados a repassar para a iniciativa privada a rede, terceirizando a instalação e operação de sistemas de monitoramento. No Rio de Janeiro, a Petrobras e a Companhia Siderúrgica Nacional mantêm análises sistemáticas e, apesar de serem emissoras de poluentes, são as que “definem parâmetros e locais monitorados”. Os dados são auditados e ratificados pelos órgãos ambientais do Estado, mas o próprio relatório indica que, justamente em função das dificuldades técnicas e ausência de funcionários públicos especializados, tal modelo de terceirização é vulnerável. Em outros estados, o monitoramento fica totalmente na mão de empresas privadas, não havendo auditorias ou qualquer controle por parte do poder público. É o caso do Maranhão, em que a empresa Vale monitora a qualidade do ar em São Luís – como não foram incorporados pelos órgãos ambientais estaduais, os dados de tal monitoramento não foram considerados no estudo.

Além de consolidar os dados existentes, apontar falhas e lacunas graves no sistema nacional, o relatório indica caminhos para criação, consolidação e manutenção dos sistemas de monitoramento, incluindo ideias de como financiar e viabilizar a ampliação de redes existentes. Apesar da abordagem construtiva, o retrato final do diagnóstico é de uma situação grave e urgente. Falta informação para a população e, em algumas cidades, começa a faltar também ar limpo.

Clique aqui para baixar o relatório (infelizmente disponível apenas em versão PDF) e aqui para acessar a tabela que serviu de base para o infográfico criado.

 

 

Leia também
Aviões, poluição aérea e os principais aeroportos do Brasil
IEMA alerta para níveis alarmantes de poluição nas cidades
Controle de emissões não basta
Normas mais rígidas para Poluição do Ar

 

 

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.