((o))eco Data
Plataforma de jornalismo de dados do site ((o))eco. Por Daniel Santini

Maior cheia já registrada no Rio Madeira mantém Acre isolado

Daniel Santini
quinta-feira, 6 março 2014 13:11

 A cheia atual do Rio Madeira é a maior registrada na base de dados da Agência Nacional de Águas (ANA), que disponibiliza informações sobre o nível do rio em monitoramentos regulares realizados desde 2005 (clique aqui para consultar dados oficiais direto no site da ANA). O alto volume de água acumulada provocou uma crise na região, com o fechamento da BR-364, que liga Porto Velho (RO) a Rio Branco (AC), e o consequente isolamento por terra do Acre. A crise é resultado do alto volume de chuvas na cabeceira do rio, que alagou florestas na Bolívia. As variações extremas de clima, com enchentes em algumas regiões do planeta e secas prolongadas em outras, já haviam sido previstas e, segundo a Organização Meteorológica Mundial estão relacionadas ao aquecimento climático.

Conforme é possível observar no segundo destaque do gráfico abaixo (clique no botão), o nível do rio aumentou gradualmente nas últimas semanas. Além do isolamento do Acre, a concentração de água também provocou graves impactos em Porto Velho e região, e motivou novas críticas à construção das usinas hidrelétricas de Santo Antonio e Jirau. As barreiras amorteceram a onda de cheia do rio e podem ter ajudado a diminuir a velocidade inundação em áreas urbanas, mas o volume de água acumulado é tão intenso que estruturas das próprias usinas encontram-se ameaçadas. Entre os questionametos feitos na época das obras (leia relatório de 2011 da Plataforma Dhesca), estavam a omissão do Ibama em relação à falta de previsão de impactos de “externalidades ambientais” e “mitigação de danos” no estudo que resultou no licenciamento ambiental.

 

Baixe todos os registros com data e hora feitos pela ANA das cheias do Rio Madeira nesta tabela de dados organizada pelo eco Data.

 

Leia também:
Mudanças climáticas: chuvas alagam florestas na Bolívia 
Hidrelétricas do Madeira: a guerra dos Megawatts 
Peixes ameaçados na Amazônia

 

 

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.