Geonotícia
Jornalismo feito com imagens de satélite e ferramentas geoweb

A beleza da Caatinga vista do espaço

Paulo André Vieira
domingo, 28 abril 2013 17:16

No dia 28 de abril é comemorado o Dia Nacional da Caatinga, uma homenagem ao único bioma exclusivamente brasileiro. Ocupando aproximadamente 10% do território nacional, é o mais fragilizado dos biomas brasileiros. Seu nome, do tupi mata branca, vem da paisagem esbranquiçada apresentada pela vegetação durante o período seco: a maioria das plantas perde as folhas e os troncos tornam-se esbranquiçados e secos. A vegetação da caatinga é adaptada às condições de aridez, e foram registradas até o momento cerca de 1000 espécies, estimando-se que haja um total de 2000 a 3000 plantas. A fauna possui baixas densidades de indivíduos e poucas espécies endêmicas.

Veja abaixo imagens retiradas do Google Earth que mostram algumas áreas de conservação do bioma Caatinga. São lindas imagens que mostram o que podemos perder se não preservarmos esta jóia de nosso país. Clique nas fotos para ampliar.


Área de Relevante Interesse Ecológico Vale dos Dinossauros, Paraíba – Um dos mais importantes sítios paleontológicos do mundo, com mais de 50 tipos de pegadas de animais pré-históricos espalhadas por toda bacia sedimentar do Rio do Peixe.


Floresta Nacional de Sobral, Ceará – Com uma área de 598 hectares, surgiu como Horto Florestal de Sobral em 1947 e foi transformada em unidade de conservação nacional em 2001. Seu objetivo é proporcionar a conservação e utilização sustentável dos recursos nacionais da Caatinga.


Parque Nacional de Ubajara, Ceará – Criado em 1959 para preservar a famosa Gruta de Ubajara, uma das maiores do Brasil, repleta de formações rochosas esculpidas pela água que escorre das paredes há milhões de anos. Outra atração é um passeio de teleférico. O bondinho suspenso por cabos de aço leva os visitantes ao alto do mirante, de onde se pode apreciar uma das paisagens mais bonitas da caatinga.


Parque Nacional da Furna Feia – Criado em junho de 2012, é o primeiro parque nacional do estado do Rio Grande do Norte. Com 8,4 mil hectares e 213 cavernas em seu interior, a já nasceu sob a pressão de atividades econômicas que se expandem na região, principalmente a mineração de calcário, insumo que abastece indústrias de diferentes setores, como a de cimento.


Parque Nacional do Catimbau, Pernambuco – Considerada Área de Extrema Importância Biológica, a unidade apresenta também registros de pinturas rupestres e artefatos da ocupação pré-histórica datados de pelo menos 6 000 anos. Formado por montanhas de topo suave, acredita-se que o nome Catimbau provenha de “morro que perdeu a ponta”.


Parque Nacional da Serra das Confusões, Piauí – Com uma área de 823.837 ha, é o maior parque do Piauí e da região nordeste do Brasil. Possui inúmeros sítios arqueológicos em suas cavernas e grutas, apresentando litogravuras nos paredões rochosos de grande valor histórico, científico e cultural. Ela é assim denominada por mudar de configuração de acordo com a iluminação do dia.


Parque Nacional Serra da Capivara, Piauí – É a área de maior concentração de sítios pré-históricos do continente americano e reconhecida como Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO. Pesquisas realizadas no parque resultaram no registro de 33 espécies de mamíferos não-voadores, incluindo o Mocó, único mamífero endêmico da Caatinga.


Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí – Criado com o objetivo de preservar ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, possibilita a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades de educação, interpretação ambiental, turismo ecológico e recreação em contato com a natureza. Na vegetação das manchas de caatinga encontram-se juazeiros, juremas, aroeiras e cactos, como o xique-xique e a coroa-de-frade.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.