Fauna e Flora
Curiosidades e notícias sobre os bichos e plantas de todo o mundo

Nova espécie de macaco na Amazônia

Vandré Fonseca
segunda-feira, 29 agosto 2011 20:51
A nova espécie descoberta do gênero Callicebus. Crédito: Júlio Dalponte
A nova espécie descoberta do gênero Callicebus. Crédito: Júlio Dalponte
Manaus, AM – Uma nova espécie de macaco foi descoberta na Amazônia. Ela pertence ao gênero Callicebus, conhecido como zogue-zogue, e foi coletada durante a Expedição Guariba-Roosevelt, em dezembro do ano passado, mas ainda não foi descrita. O pequeno primata apresenta cores diferentes de outras espécies do mesmo gênero, segundo o biólogo Júlio Dalponte, responsável pela descoberta. “Este primata tem detalhes na cauda e na cabeça que não foram vistos até agora em outros zogue-zogues originários desta área”, descreve.

A expedição Guariba-Roosevelt foi realizada entre os dias primeiro e 20 de dezembro de 2010, em quatro unidades de conservação no noroeste do Mato Grosso (Reserva Extrativista Guariba-Roosevelt, Parque Estadual Tucumã, Estação Ecológica Rio Madeirinha e Estação Ecológica Rio Roosevelt). Ela foi promovida pelo WWF-Brasil e pela Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Mato Grosso. O objetivo foi coletar informações e fazer um diagnóstico ambiental destas reservas. O trabalho será consolidado com a publicação oficial dos planos de manejo das unidades de conservação, ainda este ano.

 

 

Para Júlio Dalponte, biólogo que fez a descoberta, a espécie ainda é desconhecida pela ciência. Crédito: Lui Dalponte
Para Júlio Dalponte, biólogo que fez a descoberta, a espécie ainda é desconhecida pela ciência. Crédito: Lui Dalponte
A nova espécie de zogue-zogue foi encontrada entre os rios Guariba e Roosevelt, entre os mais importantes do estado. O espécime foi depositado (tombado) no Museu Paraense Emílio-Goeldi, em Belém (PA) e agora faz parte da coleção do museu. “Ainda faremos sua descrição e publicaremos estudos mais detalhados sobre ela, mas não há dúvida de que seja uma nova espécie”, conta Júlio Dalponte. A descrição, com estudos físicos e biológicos, deve levar ainda seis meses para ser concluída.

“A perda de habitats naturais continua sendo uma grande ameaça para a biodiversidade brasileira. Por isso, é muito importante a criação e implementação de unidades de conservação com a coleta de informações e elaboração dos planos de manejo”, afirma o coordenador do Programa Amazônia do WWF-Brasil, Mauro Armelin.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.