Notícias
4 de agosto de 2004

Agribusiness

O setor agro-exportador do Afeganistão se deu bem com a queda do regime dos Talibãs. Livre da repressão religiosa, que o forçava à clandestinidade, seu único negócio voltou a florescer. A colheita de ópio nas fazendas este ano promete ficar entre as maiores que se tem notícia. As autoridades na Grã-Bretanha preparam-se para lutar contra uma avalanche de heroína no mercado de drogas inglês. O The Independent (área gratuita) lembra que em 2001, quando mandou seus soldados invadir o Afeganistão junto com os americanos, o primeiro-ministro Tony Blair disse que a ação se justificava também pela necessidade de dar um golpe mortal no tráfic. Na época, acusava os aiatolás de usarem o ópio para conseguir dólares para os cofres do governo. Lê-se em três minutos.

Por Manoel Francisco Brito
4 de agosto de 2004
Notícias
4 de agosto de 2004

Prédios limpos

O vice-primeiro ministro inglês, John Prescott, anunciou ontem que qualquer prédio que venha a ser construído com financiamento ou investimento público terá que obedecer a uma lista de mandamentos para reduzir seu impacto ambiental. Mas só a partir de 2006. É quando deverá estar pronto o código com as novas regras para a construção civil. O governo quer evitar que se repita o que aconteceu nos anos 60, quando o setor deixou uma herança de passivos ambientais em saúde e dinheiro para o contribuinte, e ao mesmo tempo diminuir as emissões de dióxido de carbono na Inglaterra. Diz o Guardian (gratuito) que a construção, ocupação e manutenção de prédios responde por 50% delas.

Por Manoel Francisco Brito
4 de agosto de 2004
Notícias
4 de agosto de 2004

Anti-animal

Lembram-se quando Gisele Bündchen, desfilando para a Victoria’s Secret, há dois anos, foi alvo de protestos de 4 militantes do movimento pelos direitos dos animais? Eles pertenciam à PETA (Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais), antiga organização americana considerada até meio radical, e levantaram um cartaz atrás da modelo onde se lia “Gisele, a escória de peles”. A modelo brasileira, na época, fazia anúncios de casacos de mink. A PETA voltou de maneira triunfante ao noticiário. Há anos ela batalha na justiça e nas portas de lanchonetes como a Kentucky Fried Chicken, uma espécie de McDonald’s à base de frango. Combatia em especial a prática das granjas que fornecem frangos à empresa de engordar as aves até suas pernas quebrarem sob o peso da carne e de matá-las em duas etapas. A primeira, numa câmara de gás, onde são postas para dormir. Na seguinte, seus pescoços são cortados em série. A PETA infiltrou um “agente” como trabalhador numa das granjas e ele descobriu, e registrou em vídeo, coisas infinitamente mais cruéis. As imagens mostram frangos sendo mortos pelos empregados com pisões, estrangulados com luvas de látex, arremessados contra a parede ou espremidos com as mãos. A Kentucky Fried Chicken, que em todos esses anos nunca levou a PETA a sério, tomou tenência assim que viu a intimidade de sua operação aparecer na televisão. Segundo o The New York Times (gratuito, pede cadastro), ela obrigou o fornecedor a apurar os eventos e se não estiver contente com as explicações, vai cancelar seu contrato. A leitura não toma cinco minutos.

Por Manoel Francisco Brito
4 de agosto de 2004
Notícias
4 de agosto de 2004

Anti-homem

O governo inglês quer banir da Grã-Bretanha um médico americano, ex-pesquisador arrependido de laboratórios que faziam estudos com animais. Jerry Vlasack está no país como consultor contratado por grupos de defesa dos direitos dos bichos, que têm como alvo de sua luta um centro de pesquisas, está sendo construído na universidade de Oxford, e usará animais como cobaias. Vlasack, conta o Guardian (gratuito), andou dizendo que cientistas que fazem experiências com animais merecem morrer. O governo inglês achou que ele estava ameaçando o pessoal que iria trabalhar em Oxfrord. Vlasack diz que não ameaçou ninguém, mas comparou a luta em defesa dos animais à luta contra o racismo e as injustiças sociais. Afirma que o recurso à violência, nesse contexto, não pode ser descartado. Os grupos de defesa animal na Grã-Bretanha estão assumindo cada vez postura mais radical. Eles atacaram o escritório da empreiteira responsável pelas obras do novo laboratório de Oxford e ela resolveu desistir do contrato. A construção foi paralisada.

Por Manoel Francisco Brito
4 de agosto de 2004
Notícias
4 de agosto de 2004

Contando gotas

A água, que não era abundante no regime de Saddam Hussein, secou mais ainda no Iraque sob domínio americano. Danos causados à infra-estrutura durante a guerrra foram agravados por  contínuos ataques da insurgência e de terroristas. Para contê-los, pegaram dinheiro que estava marcado para ser usado nos reparos e gastaram com segurança. O resultado, conta reportagem no The New York Times (gratuito, pede cadastro), é que os 90 projetos trazidos pelos americanos para desenvolver o sistema de distribuição de água no país foram obrigados a cortar investimentos no aumento de sua capacidade. Hoje, distribuem metade do que planejavam entregar aos consumidores há um ano atrás. Em algumas regiões, a população não tem acesso a mais do que 60% da água que precisariam. É o caso de Sadr City, uma espécie de favela islâmica em Bagdá, onde é comum a convivência e o consumo de água com altíssimos índices de poluição. Leva 4 minutos de leitura.

Por Manoel Francisco Brito
4 de agosto de 2004
Notícias
4 de agosto de 2004

Rede global

O mundo, informa o The Washington Post (gratuito, pede cadastro), está prestes a se plugar numa rede espalhada por 50 países que será capaz de medir seu pulso, sua temperatura e sua pressão 24 horas por dia. Dela farão parte 50 satélites, 10 mil estações meteorológicas, 1000 bóias e 7000 navios e 3000 aviões, responsáveis por enviar 100 mil informações por dia. Seu nome é grandioso, Sistema dos Sistemas de Observação Global da Terra. Espera-se que o projeto seja capaz de coordenar informações que já são geradas nessa meia centena de países, entre eles o Brasil, para ter leitura mais exata de como o meio ambiente está convivendo com os seres humanos. Tem prazo de implantação de dez anos e o seu primeiro passo está sendo dado esses dias. O jornal credita devidamente, do lado dos americanos, o mérito da iniciativa à figura odiada pelos ambientalistas. Foi sob George Bush que o governo americano se engajou decisivamente na idéia. Lê-se em cinco minutos.

Por Manoel Francisco Brito
4 de agosto de 2004
Notícias
4 de agosto de 2004

Caso furado

A Nestlé queria registrar como marca o formato dos seus Polos, um chocolate com recheio de menta popular na Inglaterra e em outros países da Europa. Mas seu pedido não especificava proporções, nem cor e tampouco tinha o nome Polo no chocolate. Em outras palavras, a Nestlé queria a propriedade sobre a forma genérica de chocolates com mentas – redondos, com um buraco no meio – em certos mercados. Óbvio, observa o Guardian (gratuito, pede cadastro), seu pedido foi rejeitado. Duas vezes. Na última, o juiz comparou o caso da Nestlé ao de seu produto. Disse que ambos tinham um buraco no meio. O texto é curto. Dura dois minutos a leitura.

Por Manoel Francisco Brito
4 de agosto de 2004
Notícias
4 de agosto de 2004

O primeiro processo

Oito estados americanos e uma cidade, Nova Iorque, planejam processar cinco empresas de geração de energia, donas 174 geradoras de energia que funcionam à base de combustível fóssil. Segundo o The New York Times (gratuito, pede cadastro), serão acusadas de serem as maiores emissoras de dióxido de carbono, gás que acelera o processo de aquecimento do planeta. Juntas, elas produzem 646 milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano, cerca de 10% do total de toneladas emitidas anualmente na atmosfera pelos Estados Unidos. Nenhum dos proponentes da ação contra as geradoras busca dinheiro. O que querem são cortes substanciais nas emissões e a implementação de controles anti-poluição mais rigorosos. É a 1ª vez que governos, nos Estados Unidos, processam empresas privadas para reduzir a poluição.

Por Manoel Francisco Brito
4 de agosto de 2004
Notícias
22 de julho de 2004

Bichos no pé

As Havaianas, fabricantes dos chinelos que viraram moda em todo o mundo, está lançando uma linha nova de sandálias. Virão com estampa de bichos brasileiros ameaçados de extinção. A renda obtida com a sua venda, segundo notícia da America On Line, será revertida para o Instituto de Pesquisas Ecológicas, uma Ong ambientalista.

Por Manoel Francisco Brito
22 de julho de 2004
Notícias
22 de julho de 2004

O primeiro processo

Oito estados americanos e uma cidade, Nova Iorque, planejam processar 5 empresas de geração de energia, donas 174 geradoras de energia que funcionam à base de combustível fóssil. Segundo o The New York Times (gratuito, pede cadastro), serão acusadas de serem as maiores emissoras de dióxido de carbono, gás que acelera o processo de aquecimento do planeta. Juntas, elas produzem 646 milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano, cerca de 10% do total de toneladas emitidas anualmente na atmosfera pelos Estados Unidos. Nenhum dos proponentes da ação contra as geradoras busca dinheiro. O que querem são cortes substanciais nas emissões e a implementação de controles anti-poluição mais rigorosos. É a primeira vez que governos, nos Estados Unidos, processam empresas privadas para reduzir a poluição.

Por Manoel Francisco Brito
22 de julho de 2004