Análises

Uma força a mais para as onças-pintadas

A espécie foi incluída no apêndice I e II da Convenção sobre Espécies Migratórias (CMS), mais um passo para a proteção do maior felino das américas

Yara de Melo Barros · Agustín Paviolo ·
26 de fevereiro de 2020 · 2 anos atrás
O maior felino das Américas acaba de entrar na lista da Convenção das Espécies Migratórias. Foto: Antonio Thomás Koenigkam Oliveira/Flickr.

Na semana passada aconteceu na Índia a 13ª COP da Convenção sobre Espécies Migratórias (CMS). A CMS é uma convenção mundial focada em espécies migratórias, fornecendo uma plataforma global para a conservação e uso sustentável tanto dessas espécies como de seus hábitats. O Brasil é signatário dessa Convenção desde 2015.

A Convenção estabelece bases legais para medidas de conservação coordenadas internacionalmente em toda a faixa migratória. Seus signatários devem empreender esforços para a proteção de espécies migratórias, protegendo e recuperando seus hábitats e controlando fatores que as coloquem em risco.

Durante a COP foi apresentada e aprovada a proposta de inclusão da onça-pintada nos Apêndices I e II da Convenção. Estão listadas no Apêndice I as espécies migratórias ameaçadas de extinção. Já o Apêndice II engloba espécies migratórias que têm um status de conservação desfavorável e se beneficiariam de uma cooperação internacional ampliada e ações de conservação.

Embora não tenha tido a participação do Brasil, a proposta foi submetida por Costa Rica, Argentina, Bolívia, Paraguai, Peru e Uruguai. A inclusão se baseou no fato de que a onça-pintada seria na verdade uma espécie migratória e transfronteiriça, de acordo com a definição da CMS.

Onças não se importam com fronteiras. Crédito: Projeto Onças do Iguaçu.

Acordos celebrados no âmbito da CMS incluem tanto tratados juridicamente vinculativos a Memorandos de Entendimento, que podem ser adaptados às necessidades da espécie e especificidades de cada região.

Aqui na Região do Iguaçu, os Projetos Onças do Iguaçu e Yaguareté (Argentina) identificaram pelo menos três onças que atravessam o rio e vivem nos parques nacionais nos dois países, Iguaçu (Brasil) e Iguazú (Argentina). Aliás, o trabalho conjunto do dois projetos no monitoramento da população de onças na região do Corredor Verde nos dois países e em campanhas de captura binacionais, além dos esforços conjuntos para entender e reduzir a vulnerabilidade de animais domésticos à predação por grandes felinos, é um exemplo muito bacana de como dois países podem se unir para proteger uma espécie.

A inclusão da onça-pintada na CMS e a moção que será apresentada no Congresso Internacional de Conservação da IUCN este ano em Marseille, para que haja uma prioridade de conservação internacional para a onça-pintada, criam um momentum favorável para a espécie, e esperamos que isso realmente signifique a elaboração e implementação de políticas públicas (e linhas de financiamento) que ajudem na conservação da onça-pintada.

Seria importante que essas ações favorecessem a implementação do “Jaguar 2030 Conservation Roadmap for the Americas”, que é um plano regional para salvar a espécie e os ecossistemas onde ocorre.

Esse documento foi apresentado na COP 14 da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), em 2019. De acordo com Midori Paxton, Chefe de Biodiversidade e Ecossistemas do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, “o Roadmap deve unir os governos dos países onde a onça-pintada ocorre, e também o setor privado, a sociedade civil e parceiros internacionais, ajudando dessa forma a proteger os corredores-chave para a espécie da onça-pintada de forma a fortalecer a subsistência sustentável das comunidades locais e abrir novas oportunidades de negócios para o ecoturismo e agricultura sustentável.”

A responsabilidade dos governos dos países onde a onça-pintada ocorre com sua conservação agora aumenta, e a espécie agradece.

Em agosto desse ano irá acontecer em Foz do Iguaçu o 2º Simpósio Internacional sobre Ecologia, Manejo e Conservação da Onça-Pintada e Outros Felinos Neotropicais, com especialistas do mundo todo em onças-pintadas, e a implementação do Roadmap estará na pauta das discussões.

 

As opiniões e informações publicadas na área de colunas de ((o))eco são de responsabilidade de seus autores, e não do site. O espaço dos colunistas de ((o))eco busca garantir um debate diverso sobre conservação ambiental.
 

Leia Também 

Conservação de onças-pintadas: prioridade mundial

Ao infinito e além?

Um é pouco, dois é bom, três é demais (de lindo)

 

  • Yara de Melo Barros

    Doutora em zoologia, membro do CPSG Brasil e coordenadora do Projeto Onças do Iguaçu.

Leia também

Análises
8 de agosto de 2018

Um é pouco, dois é bom, três é demais (de lindo)

O nascimento de três filhotes de onça-pintada no Parque Nacional do Iguaçu precisa ser comemorado

Análises
4 de dezembro de 2019

Ao infinito e além?

Censo revela que população de pantheras na região do Corredor Verde em Misiones e no Brasil tem crescido. E podemos ter esperança de alcançar a capacidade de suporte da região

Análises
13 de janeiro de 2020

Conservação de onças-pintadas: prioridade mundial

Congresso de Conservação da IUCN discutirá moção para priorizar a conservação da onça-pintada. É tempo de lutar pelo maior felino das Américas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. bruno fonte boa diz:

    Em que pese o desprezo desse governo pelo meio ambiente, lo hermanos estão nos ajudando, viva a integração! Viva o animalmais lindo das américas!


  2. PR.PR diz:

    Parabéns!!! Gente que faz! É disso que precisamos pra ajudar a fauna, proteger o Meio Ambiente. E é parceria internacional. Parabéns a todos os envolvidos.