Análises

Parques também protegem o céu

Áreas protegidas afastadas dos centros urbanos ainda nos permitem observar o céu sem interferência das luzes produzidas pelos humanos

Silvana Campello ·
2 de agosto de 2016 · 5 anos atrás
IMG_0739
Parque do Cantão: para ver bilhões de estrelas e outras galáxias basta uma boa câmera e uma longa exposição. Foto: Dana Bres

 

Desde que a NASA reiniciou as pesquisas espaciais, muito tem sido revelado sobre o sistema solar, e para além dele. E o que antes era limitado a intelectuais e a quem tinha acesso a um planetário, agora está ao alcance de milhões de pessoas graças ao lançamento de telescópios portáteis, relativamente baratos e de alta tecnologia, os quais podem ser adquiridos até pela internet.  Porém, justo quando a tecnologia se torna disponível, é o céu que parece já não estar, devido ao fenômeno da poluição luminosa.

A poluição luminosa é conseqüência da civilização industrial.  A luz das grandes e médias cidades do mundo é tão intensa que ofusca as estrelas, impedindo a observação do céu. Estudos recentes indicam que o aumento de exposição luminosa altera o ritmo biológico de diversas espécies, inclusive a nossa, que evoluíram para viver períodos iguais de luz e escuridão.   Por tudo isso, ganha impulso um movimento internacional deflagrado pela ONG americana Associação do Céu Escuro (International Dark-Sky Association).  Segundo a ONG, as Unidades de Conservação distantes dos centros urbanos, longe da poluição luminosa, podem garantir a clareza da massa estelar sobre nossas cabeças, e reconhece que, assim como a biodiversidade, o céu também cumpre um importante papel na nossa cultura e na nossa história.  A União Internacional para Conservação da Natureza – IUCN, por meio de um Grupo Consultivo para o Céu Escuro, mantém uma lista de 35 Unidades de Conservação em todo o mundo onde o céu está livre de poluição luminosa, e que por isso começam a atrair visitantes interessados na observação dos astros.

O Canadá lidera a lista da IUCN com 15 reservas, mas infelizmente – e injustamente – nenhum parque brasileiro está na lista. O Parque Estadual do Cantão, na bacia do Rio Araguaia, é um dos que certamente merecem estar: embora a sede do parque esteja no pequeno município ribeirinho de Caseara, a 256 km de Palmas, capital do Tocantins, os restantes 90.000 hectares do Cantão se encontram na ponta norte da remota Ilha do Bananal, adjacentes ao Parque Nacional do Araguaia e a extensas reservas indígenas, formando um conjunto de mais de 2 milhões de hectares sem poluição luminosa, de onde se vislumbra um céu esplendoroso.

Por ocasião do 18o aniversário do Parque do Cantão, cerca de 60 alunos da rede escolar local tiveram a oportunidade de ver o céu em nosso telescópio.  O interesse dos jovens superou nossas expectativas, e muitos solicitaram repetir a experiência.  Afinal, como não gostar de ver Saturno e seus anéis, e sua lua Encélado que nos indica a possibilidade de vida? Ou o grandalhão Júpiter, um planeta cuja enorme força gravitacional e posição estratégica no sistema solar, atrai para si meteoritos e asteróides que de outra forma viriam diretamente em direção à nossa Terra, destruindo a vida do planeta?  Júpiter é nosso guarda-costas!

O fato é que algumas Unidades de Conservação acabam de adquirir um novo papel na proteção de tudo que está abaixo, ao redor e acima de nós.  Quem mora em uma cidade grande hoje em dia precisa viajar para muito longe a fim de experimentar a sensação inesquecível de ver a Via Láctea e o céu em todo seu esplendor. E imaginar quantos mistérios existem por lá.

O físico italiano e Premio Nobel Enrico Fermi formulou uma pergunta interessante:  se a probabilidade de vida inteligente no Universo é tão grande quanto indicam os dados científicos, então eis o paradoxo de Fermi: “onde estão todos?” Vida inteligente é aquela capaz de formar civilizações.  E isso é uma coisa rara, haja visto nossa própria Terra, onde das estimadas 30 milhões de espécies somente uma foi capaz de formar uma civilização – com capacidade de criar comunicação e tecnologia avançadas, mas também de gerar poluição.  De todas as possíveis respostas ao paradoxo, a mais aceita pelos cientistas é que as civilizações deixam de existir, pois, à medida que avançam, alteram seu meio natural a ponto de se auto-destruir.  Se isso for verdade, nem Júpiter poderá nos salvar de nós mesmos.

IMG_8100r
Jovens estudantes observam os astros com o telescópio do Instituto Araguaia, no Parque do Cantão. Foto: Instituto Araguaia

 

 

Leia também

As amorosas ariranhas do Parque do Cantão

Drones vigiam o Parque do Cantão, no Tocantins

 

 

 

  • Silvana Campello

    Presidente do Instituto Araguaia de Proteção Ambiental e membro da Comissão Mundial de Parques e Comissão de Sobrevivência da...

Leia também

Reportagens
7 de maio de 2015

Drones vigiam o Parque do Cantão, no Tocantins

Numa área de florestas alagadas, de difícil acesso, dispositivos voadores não tripulados assustam pescadores ilegais e fazem censo de botos.

Análises
11 de agosto de 2015

As amorosas ariranhas do Parque do Cantão

Darwin considerou que animais podem ter sentimentos, mas não adiantou. Os biológos taxam essa possibilidade de antropomorfismo.

Dicionário Ambiental
19 de abril de 2013

O que são Unidades de Conservação

Um guia ((o))eco para que você aprenda um pouco mais sobre unidades de conservação.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 4

  1. George diz:

    Hoje cedo, as 5 da madrugada no Parque do Cantão, estavamos observando o planeta Urano e as galáxias de Andrômeda e do Triângulo… a olho nú!

    Claro que pelo telescópio se vê bem melhor, mas existem poucos lugares no Brasil e no mundo onde o céu é tão escuro e límpido, a ponto de se enxergar galáxias a 3 milhões de anos-luz de distância sem o auxílio de instrumentos.


    1. César Cielo diz:

      Chorei aqui com seu depoimento!


  2. Maria Tereza diz:

    Adorei também Silvana. A gente em geral não se dá conta deste presente que nos dão as áreas protegidas. Parabéns pela coluna. Agora também vou dizer qu este também pode ser um objetivo dos Parques Nccionais


  3. José Truda diz:

    Excelente artigo, Silvana! As pessoas não se dão conta do quanto estamos perdendo de qualidade de vida e de entendimento de nosso verdadeiro lugar no Universo com a vida nas cidades porcamente geridas, em que o desperdício de luz e de energia é a regra.