Análises

O caos fundiário e a proteção ambiental

Somente com uma clara definição dos direitos de propriedade se pode responsabilizar e punir aqueles que cometeram infrações contra o meio ambiente

Joana Chiavari · Cristina Leme Lopes ·
19 de março de 2017 · 4 anos atrás
Não existe um cadastro de terras único no país, de modo que, para resolver o caos fundiário, o primeiro passo será integrar todos eles. Imagem: CAR de uma propriedade no Pará. Crpedito: A Pública.
Não existe um cadastro de terras único no país, de modo que, para resolver o caos fundiário, o primeiro passo será integrar todos eles. Imagem: CAR de uma propriedade no Pará. Crédito: A Pública.

A questão ambiental hoje está diretamente ligada à questão fundiária. Não será possível atingir o fim do desmatamento ilegal na Amazônia e cumprir as metas climáticas brasileiras se não enfrentarmos os problemas ligados à terra. Somente com uma clara definição dos direitos de propriedade se pode responsabilizar e punir aqueles que cometeram infrações contra o meio ambiente. Além disso, as obrigações impostas pelo Código Florestal só podem ser colocadas em prática com a identificação do titular legítimo da terra.

Os problemas fundiários no Brasil são tão velhos quanto a nossa própria história. Ainda hoje, muitos agricultores não possuem título de propriedade e há áreas onde não é possível afirmar quem é o seu verdadeiro dono. Pior, há vários municípios brasileiros com áreas registradas que superam em uma, duas ou mais vezes a sua superfície territorial, evidenciando situações de conflito e grilagem.

Não há solução fácil para resolver o caos fundiário brasileiro e os obstáculos, como se pode ver, são diversos. Não existe no país um cadastro de terras único, reunindo informações que abranjam todo o território. Ao contrário, há uma pluralidade de cadastros rurais, administrados por diferentes órgãos públicos, muitas vezes com informações imprecisas e desatualizadas. O Cadastro Ambiental Rural (CAR), instituído pelo novo Código Florestal, representa mais um cadastro a ser somado a outros já existentes.

“(…) o primeiro passo para uma melhor gestão fundiária é a integração de todos estes cadastros e a atualização das informações com georreferenciamento das áreas, formando uma base cartográfica e de dados única”

Assim, o primeiro passo para uma melhor gestão fundiária é a integração de todos estes cadastros e a atualização das informações com georreferenciamento das áreas, formando uma base cartográfica e de dados única. A integração do CAR aos demais cadastros rurais ajudaria não só a identificar problemas de sobreposição entre propriedades, como também a combater a grilagem, pois, embora o CAR não reconheça direitos de propriedade, na prática ele tem sido usado para a grilagem, como constatado em operações de fiscalização.

Em segundo lugar, é preciso fortalecer e impulsionar as políticas de regularização fundiária de agricultores familiares e populações indígenas e tradicionais que ainda enfrentam desafios e entraves para a consolidação de seus direitos territoriais. A regularização fundiária é requisito essencial para a segurança jurídica, a redução de conflitos pela posse da terra, o acesso a programas governamentais e ao crédito rural, a responsabilização ambiental pela gestão da terra e a preservação de direitos culturais. Os processos de regularização fundiária são bastante complexos e longos e, nesse contexto, a simplificação desses processos e a unificação das normas legais vigentes são medidas importantes. Outros desafios em vista incluem questões institucionais (como baixa capacidade operacional dos órgãos gestores e corrupção de funcionários públicos), orçamentárias e ameaças políticas e econômicas.

Finalmente, é fundamental intensificar o combate à grilagem. Fenômeno histórico de apropriação ilegal de terras públicas, ela é a principal causa de conflitos fundiários. Dados de 2006 estimam que o total de terras suspeitas de serem griladas no país é de aproximadamente 100 milhões de hectares (12% do território nacional), o que representa quase quatro Estados de São Paulo ou a área da França e da Espanha juntas. Neste sentido, a eficácia dos atuais mecanismos jurídicos e institucionais de combate à grilagem precisa ser aprimorada, inclusive através da criação de procedimentos administrativos próprios que visem ao cancelamento de registros imobiliários irregulares.

Há um longo caminho a ser trilhado para que os problemas fundiários no Brasil sejam resolvidos. Mas é preciso tratar a questão com urgência. Caso contrário, continuaremos a acumular estatísticas sobre desmatamento ilegal, violência no campo e ineficiência no uso da terra.

 

Saiba Mais
Panorama dos Direitos de propriedade no Brasil rural: Legislação, Gestão Fundiária e Código Florestal

Leia Também 

Regularização fundiária reduz desmatamento em UCs

O longo caminho da regularização das UCs de uso sustentável

Boca do Acre: sem regularização não vai haver conservação

 

  • Joana Chiavari

    Analistas do Climate Policy Initiative/ Núcleo de Avaliação de Políticas Climáticas da PUC-Rio

  • Cristina Leme Lopes

    Analistas do Climate Policy Initiative/ Núcleo de Avaliação de Políticas Climáticas da PUC-Rio

Leia também

Reportagens
21 de outubro de 2013

Boca do Acre: sem regularização não vai haver conservação

Programas federais começam a regularizar as terras de ribeirinhos e indígenas. Definição de propriedade facilitará conservação ambiental.

Reportagens
5 de novembro de 2013

O longo caminho da regularização das UCs de uso sustentável

As práticas de manejo comunitário de recursos naturais contribuem para o desenvolvimento social e conservação ambiental. Mas a luta é dura.

Notícias
28 de março de 2013

Regularização fundiária reduz desmatamento em UCs

Novo estudo mostra que o fator mais importante para reduzir o desmatamento em Unidades de Conservação é a regularização fundiária.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 4

  1. José Carlos Castilho diz:

    Muito oportuno e correto este artigo. Não se consegue responsabilizar quem não é dono.


  2. Gustavo Romeiro diz:

    A apreensão de bens envolvidos no desmatamento ou produzidos sobre áreas desmatadas ilegalmente vem se mostrando como a forma de sanção mais efetiva que o Estado brasileiro tem de punir e dissuadir a infração ambiental na Amazônia.
    A destinação dos bens apreendidos na Amazônia, em sua imensa maioria formados por madeira, equipamentos madeireiros, bovinos e grãos; tem como destino previsto em lei a doação a instituições científicas, hospitalares, penais e outras com fins beneficentes (Artigo 25 da Lei nº 9.605/1998).
    Entretanto, esse procedimento tem se mostrado inviável, pois os volumes apreendidos geralmente são grandes e os custos de transporte e beneficiamento dos bens desencoraja as entidades legalmente aptas a aceitá-los.
    A impossibilidade legal de venda dos bens por parte dos beneficiários pelas doações impõe sua utilização direta por essas entidades, uma combinação de fatores bastante improvável; que resulta trabalhosa e onerosa ao Estado, responsável pela guarda dos bens por longos períodos.
    A falta de um canal de destinação ágil para os bens apreendidos limita a atuação da fiscalização a poucos alvos, pois o tempo e os recursos necessários para apreender, guardar, transportar e doar os materiais impedem a ampliação do raio de atuação do IBAMA.
    Texto extraído de: PINTO, Gustavo Romeiro Mainardes. Estratégias para a Gestão Florestal Integrada no Brasil. Monografia apresentada ao III Prêmio Serviço Florestal Brasileiro em Estudos de Economia e Mercado Florestal. Brasília. 2016. Disponível em: http://www.florestal.gov.br/documentos/informacoe


  3. paulo diz:

    Acorda Corvo, obvio pegar pelo imposto e taxas.Sabes tem muita sonegação que é dono do que?


  4. Que adianta saber quem é os proprietário da terra rural se o ICMBio não paga a indenização quando cria os Parque