Análises

É longa a estrada da conservação da onça-pintada

No Dia Nacional da Onça-Pintada, relembramos os projetos e instituições que trabalham pela conservação do felino e os desafios dessa iniciativa

Yara de Melo Barros ·
29 de novembro de 2020
A onça Índia, imagem capturada por armadilha fotográfica dentro do Parque Nacional do Iguaçu. Foto: Projeto Parques do Iguaçu.

Em 2018 foi criado oficialmente o Dia Nacional da Onça-Pintada, através de articulações feitas pelo Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (CENAP/ICMBio) e o Projeto Onças do Iguaçu. A Portaria MMA N°8, de 16 de outubro de 2018, também reconhece a onça-pintada como o Símbolo Brasileiro de Conservação da Biodiversidade. A data acabou sendo adotada internacionalmente e, agora, dia 29 de novembro é também o Dia Internacional da Onça-Pintada.

Qual a importância da criação da data? Chamar a atenção das pessoas. Algo do tipo “para tudo e ‘prestenção’ aqui!” Para que todos os anos possam ser feitas discussões e reflexões sobre a conservação dessa espécie magnífica. Uma oportunidade para que escolas, zoológicos, unidades de conservação e projetos de conservação discutam o assunto e encontrem formas de conectar as pessoas com estes felinos.

Hoje, às portas do terceiro ano de comemoração da data, vale uma reflexão sobre como estamos e para onde vamos.

2020 um ano de muitos desafios

Ainda estamos em choque com as imagens do Pantanal envolto nas chamas que engoliram cerca de 27% do bioma. As onças-pintadas queimadas são uma ferida que não sara no coração de quem se importa. Mas o retorno e a readaptação da onça-pintada Ousado em seu ambiente natural simboliza o esforço e união de todas as pessoas e instituições envolvidas no resgate, recuperação e posterior monitoramento. Além disso, nos enche de esperança quanto a recuperação do Pantanal.

Um artigo publicado esse ano chama a atenção para uma outra ameaça iminente para as onças-pintadas no mundo: o abate de onças para a venda de suas partes para o mercado chinês. O MMA, IBAMA e o ICMBio-CENAP integram uma força tarefa internacional para combater essa ameaça. Mais uma vez, a união entre países e instituições mostra que este é o caminho para vencermos as dificuldades.

Em ano de pandemia, onde muitas pessoas perderam empregos e qualquer possibilidade de renda, uma preocupação extra é a possibilidade do aumento da caça de animais que são presas de onças, o que impacta diretamente a espécie.

Luz no fundo do túnel

Como estratégia de conservação, o governo brasileiro criou o Plano de Ação Nacional para a Conservação de Grandes Felinos (PAN Grandes Felinos), publicado em 2018 e vigente até  2023. Ele estabelece estratégias prioritárias de conservação para as onças pintada e parda. O objetivo geral do PAN é “Reduzir a vulnerabilidade da onça-pintada e da onça-parda, em 5 anos, com vistas a melhorar o estado de conservação de suas populações”, são 41 ações ligadas ao aumento e manutenção de habitats; promoção de melhor convivência humano x fauna; promoção de boas práticas em empreendimentos que causem impactos às espécies e aprimoramento do resgate a destinação.

Onça Kunumi. Foto: Projeto Parques do Iguaçu.

Esse ano foi feita a monitoria de implementação do PAN Grandes Felinos, e 54% das ações propostas estão em andamento, inclusive apresentando produtos concluídos. Destaca-se a criação de Unidades de Conservação privada (RPPNs), manuais, relatórios, divulgações na mídia para a sensibilização e conservação das espécies de onças e publicações científicas. O ICMBio-CENAP coordena várias ações previstas no PAN e articula parcerias para execução de sua execução Por exemplo, a realização de dois projetos inovadores de reabilitação, treinamento e recolocação na natureza de quatro filhotes de onça-pintada, no Pantanal e na Amazônia, experiência que foi bem sucedida e pode servir como base para futuras iniciativas.

Uma das ações do PAN que está em andamento é uma parceria em construção entre CENAP, WWF Brasil, Freeland e Projeto Onças do Iguaçu para a elaboração e implementação de estratégias de combate à caça e tráfico de onças-pintadas.

Também vale destacar a implementação do Programa de Cativeiro da Onça-Pintada, coordenado pelo CENAP em parceria com a AZAB (Associação Brasileira de Zoológicos e Aquários), que organiza a população ex situ desta espécie de modo que ela seja uma efetiva ferramenta para a conservação. Um workshop para estruturar o programa ex situ estava previsto para março deste ano, com a participação e facilitação do Grupo Especialista em Planejamento para a Conservação da IUCN (CPSG), mas devido à pandemia foi temporariamente adiado.

Ou seja, a estrada é longa, mas estamos indo adiante na jornada.

Aqui na região do Corredor Verde, que engloba Brasil e Argentina, temos uma das populações de onças-pintadas mais importantes da Mata Atlântica. A estimativa de 2018 é que existam cerca de 105 onças-pintadas na região, sendo 28 no Parque Nacional do Iguaçu.

Um censo bianual é realizado no Brasil e Argentina pelas equipes do Projeto Onças do Iguaçu e Proyecto Yaguareté. É o maior esforço mundial para monitorar populações de onça-pintada, tanto em extensão, são 600 mil hectares amostrados nos dois países, quanto em tempo, já são quase dez anos de esforços. E é com esperança e alívio que temos visto o número de onças crescendo nos últimos 10 anos. Resultado de um esforço planejado pelos projetos de conservação e equipes de proteção dos parques nacionais no Brasil e Argentina.

No momento, os dois projetos estão com armadilhas em campo conduzindo o Censo 2020, que deve ser finalizado em dezembro. Dedos cruzados e frio na barriga aguardando o resultado.

Mais um ponto positivo foi o lançamento da Estratégia de Conservação da Onça-Pintada 2020-2030, coordenada pelo WWF. Foram identificadas 15 paisagens prioritárias na maior parte da área de ocorrência da espécie (14 países). A estratégia prevê ações para a conservação da onça-pintada, como redução de conflitos e promoção de coexistência com populações humanas.

Seguimos na luta para que possamos continuar celebrando os avanços. E que os desafios que se impõem sejam impulsionadores de união entre os diferentes atores que atuam pela conservação desta magnífica espécie.

Bora comemorar o Dia Nacional da Onça-Pintada, ajudar a espalhar a mensagem.

As opiniões e informações publicadas na área de colunas de ((o))eco são de responsabilidade de seus autores, e não do site. O espaço dos colunistas de ((o))eco busca garantir um debate diverso sobre conservação ambiental.

 

Leia Também

Onça-pintada, uma homenagem ao maior felino das Américas

Caça e tráfico de onças disparam em estados bolivianos na fronteira com o Brasil

Encontro das chamas ameaça parque com maior concentração de onças-pintadas do mundo

 

 

 

 

 

  • Yara de Melo Barros

    Doutora em zoologia, membro do CPSG Brasil e coordenadora do Projeto Onças do Iguaçu.

Leia também

Reportagens
8 de setembro de 2020

Encontro das chamas ameaça parque com maior concentração de onças-pintadas do mundo

Mais de 1,6 milhão de hectares já foram consumidos pelo fogo no Pantanal apenas nos últimos dois meses e chamas avançam sobre refúgios da biodiversidade

Reportagens
11 de novembro de 2020

Caça e tráfico de onças disparam em estados bolivianos na fronteira com o Brasil

Investigação reforça que estados bolivianos próximos do Brasil são focos de caça e comércio clandestino de onças. Ilegalidades ganharam força com maior presença chinesa na América do Sul

Colunas
30 de novembro de 2018

Onça-pintada, uma homenagem ao maior felino das Américas

O 29 de novembro agora é o dia oficial da Onça-Pintada, animal majestoso, nosso maior felino, nomeada a partir de agora símbolo da biodiversidade brasileira

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Revisor diz:

    Sei que o texto da coluna é responsabilidade do autor, mas o Eco bem que podia revisar. Tem vários erros de português, fora essa pérola: "A cada dois anos um censo bianual…"