Análises

Covid-19 e a ética pela sobrevivência

Além de proteger a biodiversidade, é preciso discutir saúde pública, nos aspectos preventivos e em sua interação com os determinantes ambientais

Carlos Bocuhy ·
24 de março de 2020 · 1 anos atrás
Foto: Pete Linforth/Pixabay .

A pandemia do coronavírus, que pode atingir proporções alarmantes no Brasil em abril e maio, conforme já admitiu o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, vai exigir uma mudança de postura da sociedade. Um aspecto pouco discutido até o momento é que essa e outras pandemias sejam decorrentes, em parte, de desequilíbrios na saúde planetária.

Ebola, HIV, dengue, Sars, gripe aviária, Zika, vírus do Nilo Ocidental, Mers e, agora, a Covi-19 são faces da mesma moeda. Quando falamos em ética para a vida, que inclui a sustentabilidade, não podemos deixar de avaliar o desconhecido que ainda habita a inesgotável antessala do Gênesis. 

A humanidade, além de proteger a biodiversidade, deve avaliar os riscos inerentes à riqueza natural em toda a sua complexidade, cujos efeitos nocivos se deram, ora em função da destruição de ecossistemas, como o caso do ebola, ou na periculosidade liberada a partir de organismos vivos, como o caso do Covid-19.

O Brasil discute saúde ambiental há um bom tempo, com sanitaristas internacionalmente reconhecidos. Em 2002, ocorreu a discussão inicial para elaboração do Termo de Referência de Saúde Ambiental por meio da Organização Panamericana de Saúde (Opas). Os enfoques foram prioritariamente voltados à contaminação química, já que o Brasil enfrentava a fase de áreas contaminadas, ou “brownfields”, com riscos às populações atingidas.    

Uma das maiores preocupações no Brasil são as populações concentradas e sem possibilidade de isolamento. Sem saneamento e em sub-habitações, instaladas principalmente nas áreas periféricas metropolitanas, como farão para controlar a expansão do vírus?

“Uma das maiores preocupações no Brasil são as populações concentradas e sem possibilidade de isolamento.”

O Brasil conta com expressivo acúmulo de conhecimento na área de epidemiologia ambiental, mas vamos ter que evoluir mais. É preciso discutir saúde pública, nos aspectos preventivos e em sua interação com os determinantes ambientais. Este desafio se impõe cada vez mais, em função da destruição de ecossistemas e com a liberação de organismos fora de seus habitats. 

Além disso, há indícios de potencialização de efeitos nocivos à vida em função de sinergias provocadas, por exemplo, com a interação entre cianobactérias, cianotoxinas e Zika, potencializando as causas da microcefalia. Sem falar dos agrotóxicos nas águas dos reservatórios, que são ameaça silenciosa, bioacumulativa, com muitas substâncias já banidas no exterior, mas que o Brasil ainda utiliza. Há também evidências científicas que apontam níveis de tolerância em termos de teratogenicidade muito menores do que os padrões hoje adotados.

Saúde pública e meio ambiente precisam dialogar mais, já que as vulnerabilidades de nossa sociedade, em grande parte hipossuficiente, se tornaram mais que evidentes. Além disso, a crise nos traz lições importantes. Uma delas é que nossas atividades estão acima dos limites das alterações aceitáveis dos ecossistemas. O Brasil parou e o ar tornou-se mais limpo com a Covid-19, enquanto em Veneza, na Itália, que mais sofre com a disseminação da doença e mortes, os cardumes de peixes são visíveis em seus canais

Há um novo modus vivendi para aflorar, que passa pela inovação, pela energia limpa, pelo saneamento, pela infraestrutura para a sustentabilidade, pela justiça social e pela ética para com a vida e sua sobrevivência.

 

As opiniões e informações publicadas na área de colunas de ((o))eco são de responsabilidade de seus autores, e não do site. O espaço dos colunistas de ((o))eco busca garantir um debate diverso sobre conservação ambiental.

 

Leia Também 

COVID-19: A qualidade do ar na cidade melhorou

Ao desejar saúde, deseje áreas protegidas

Novo alerta sobre impacto da poluição do ar na saúde é divulgado, mas Brasil não escuta

 

  • Carlos Bocuhy

    Carlos Bocuhy é presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (Proam)

Leia também

Reportagens
19 de março de 2019

Novo alerta sobre impacto da poluição do ar na saúde é divulgado, mas Brasil não escuta

Pesquisa indica que poluição do ar em ambientes externos mata 8,8 milhões de pessoas no mundo, o dobro da estimativa antes divulgada

Colunas
27 de janeiro de 2020

Ao desejar saúde, deseje áreas protegidas

Não seria interessante se as políticas públicas de saúde incorporassem atividades em ambientes naturais como parte da promoção da saúde ou da prevenção de doenças?

Colunas
24 de março de 2020

COVID-19: A qualidade do ar na cidade melhorou

Não há, porém, absolutamente nada a comemorar. A paralisação dos transportes não é resultado de uma súbita consciência ambiental e do sucesso de uma política de produção e consumo sustentável

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta