Análises

COP21 destaca importância da adaptação baseada em ecossistemas

O equilíbrio dos ambientes naturais é uma ferramenta para minimizar os efeitos das alterações do clima e diminuir a exposição a eventos extremos.

Guilherme Karam ·
9 de dezembro de 2015 · 6 anos atrás

Dentre as diversas discussões paralelas ao Acordo de Paris, uma merece destaque. A Adaptação baseada em Ecossistemas (AbE), que leva em consideração o equilíbrio dos ambientes naturais como ferramenta para minimizar os efeitos das alterações do clima. É interessante perceber como este tema vem ganhando espaço nas COPs, pois há poucos anos, ele não era nem mencionado.

No pavilhão da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN), quatro painéis trataram do tema com exemplos de diferentes países como El Salvador, Costa Rica, Japão, Peru e África do Sul. A ministra de El Salvador, Lina Pohl, por exemplo, comentou que o país está criando uma base de dados com projetos de AbE de toda a América Central com foco na análise da efetividade das ações implementadas.

Ela afirmou também que nos últimos sete anos o Produto Interno Bruto (PIB) do país está caindo em cerca de 4% ao ano, e os eventos climáticos extremos – como chuvas torrenciais e secas intermináveis – foram elencados como os principais responsáveis. Por isso, ações de AbE são estratégicas e extremamente necessárias a este pequeno e vulnerável país (e tantos outros), pois eles aumentam a resiliência das comunidades mais sensíveis.

No Brasil, o tema também tem ganhado relevância. Neste ano foi produzido pela Fundação Grupo Boticário o estudo ‘Adaptação Baseada em Ecossistemas: oportunidades para políticas públicas em mudanças climáticas’, que contabilizou experiências de AbE em todo o mundo e identificou cerca de cem estudos de caso.

Um desses exemplos é o projeto de recuperação da mata ciliar do Rio Cachoeira no Município de Itabuna, litoral sul da Bahia. A recuperação dessa vegetação nativa é uma importante medida de controle frente a inundações, e tem papel fundamental no restabelecimento da provisão dos serviços ambientais, como produção de água, regulação do clima e fertilização do solo. Esses serviços reduzem a erosão e o assoreamento.

O painel de encerramento, composto por representantes de países latino-americanos, indicou os principais desafios para que estratégias de AbE ganhem escala. Dentre eles, está a necessidade de disseminação do conceito; a importância de se disseminar a ideia de que adaptação não é apenas um tema ambiental, mas relacionado a desenvolvimento e a obrigatoriedade de envolver as pessoas e comunidades vulneráveis desde o início.

Leia Também
Não é só pelo planeta
Brasil propõe criar novo mercado de carbono
Crise compromete posição do Brasil na COP

 

 

 

  • Guilherme Karam

    Coordenador de estratégias de conservação da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.

Leia também

Reportagens
8 de dezembro de 2015

Crise compromete posição do Brasil na COP

Marina Silva critica agenda de clima do país e diz que crise institucional e interferências na política ambiental são resultado de concessões de Dilma Rousseff a aliados.

Reportagens
8 de dezembro de 2015

Brasil propõe criar novo mercado de carbono

Proposta conjunta com a União Europeia sugere que países em desenvolvimento, governos locais e até mesmo empresas poderiam fazer transações de direitos de poluição e descontá-los de metas de redução de emissões.

Reportagens
9 de dezembro de 2015

Não é só pelo planeta

Populações vulneráveis, indígenas e mulheres cobram ações realistas para adaptação e reclamam de falta de participação em decisões nas negociações de clima da COP21.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta