Análises

A aventura de percorrer trilhas de longo curso de ponta a ponta – e de uma vez só!

Os thru-hikers, caminhantes que percorrem centenas ou até milhares de quilômetros numa única jornada têm com a Rede Brasileira de Trilhas cada vez mais opções em solo tupiniquim

Jeff Santos ·
4 de outubro de 2020
Os primeiros 5 km dos mais de 4 mil da Pacific Crest Trail. Foto: Jeff Santos/Acervo Pessoal

Quando o visionário americano Benton MacKey vislumbrou a Appalachian Trail nem ele, nem ninguém que compartilhou daquela ideia embrionária, imaginou que seria possível fazer a trilha inteira, do início ao fim, de uma única vez. O ano era 1921 e só a perspectiva de se ter uma trilha que unisse as diversas trilhas regionais que existiam na costa leste dos Estados Unidos e assim ligasse 14 estados com um total de mais de 3.000 quilômetros, já era algo que soava extremamente ambicioso. Mas o projeto de implementação da trilha continuou a passos largos e em 14 de agosto de 1937 a Appalachian Trail estava finalizada.

No entanto, a ideia de que alguém pudesse completá-la de cabo a rabo, a pé, de uma só tacada, ainda parecia absurda.

Foi preciso mais de uma década para que Ed Shaffer, um veterano da Segunda Guerra Mundial e membro da Appalachian Trail Conservancy (ATC), o órgão não-governamental que gerencia a trilha, conseguisse fazer aquilo que ninguém acreditava ser possível. Durante o encontro anual do grupo, que acontecia no verão de 1948 em Fontana Village, uma cidadezinha no estado da Carolina do Norte por onde a trilha passa, os membros da ATC receberam uma mensagem de Shaffer. Ele estava no estado de Nova Iorque e havia começado a trilha no seu extremo sul, na Geórgia, no dia 4 de abril. Esperava completar toda a trilha nas próximas semanas. O grupo recebeu a notícia com ceticismo. Mas alguns dias depois Ed Shaffer escreveu aos membros novamente, desta vez para informar que havia chegado ao Monte Katahdin no dia 5 de agosto de 1948. Ele foi o primeiro thru-hiker da história.

Mas afinal, o que é thru-hike?

Bem, não existe uma definição muito clara. Mesmo nos Estados Unidos, onde o termo surgiu, não é consenso entre os caminhantes o que o termo define. Afinal, é uma palavra que não existe nos dicionários. No geral, todos concordam que thru-hike é o termo que designa o fato de alguém completar uma trilha inteira, do início ao fim. Não importa a extensão da trilha. Não importa a direção que você a faz. E se thru-hike é caminhar uma trilha do início ao fim, quem faz isso é chamado de thru-hiker.

Para a ATC um thru-hiker é alguém que completa toda a extensão da Appalachian Trail em 12 meses ou menos. Mas o termo não se limita à icônica trilha norte-americana: ele também é usado em todas as outras trilhas de longo curso naquele país. E com o crescente interesse em atividades ao ar livre no mundo todo, termos como thru-hike, thru-hiker e thru-hiking também passaram a ser usados para se referir aqueles que caminham toda a extensão de caminhos de peregrinação como Santiago de Compostela, na Espanha, ou fazem trilhas nacionais como a Te Araroa, na Nova Zelândia.

Por que ser um thru-hiker? Mais do que a definição da palavra, é importante esclarecer o que te faz um thru-hiker.

Quem já fez uma travessia ou qualquer trilha um pouco mais longa, que exige alguns dias caminhando e acampando, sabe o espanto que isso causa nas pessoas: “Você fez o quê? Você caminhou quanto? Por quantos dias? Pra quê? Por que você está fazendo isso? Pirou?”

Trecho de caminhada da Pacific Crest Trail. Foto: Jeff Santos

Convenhamos: ser thru-hiker não é para qualquer um. Não é simplesmente caminhar por dias ou meses a fio e cobrir dezenas, centenas, às vezes milhares de quilômetros na jornada. É superar desafios pessoais, vencer seus temores, ir além do que você e todos os outros imaginavam ser possível. É ser autossustentável e carregar sua comida e seu abrigo. É estar em locais quase intocados da natureza, onde poucas pessoas estiveram. É buscar o autoconhecimento. É apoiar as comunidades locais e os voluntários que tornaram aquela jornada possível. É obedecer às regras de Leave No Trace (Não Deixe Rastros), e ter uma relação de respeito com o meio ambiente e os outros caminhantes (sejam eles thru-hikers ou não). É satisfazer as curiosidades dos amigos, reais e virtuais, que nos dias de hoje te acompanham durante todo o percurso por suas redes sociais e que gostariam de estar ali com você – ou simplesmente te admiram por estar fazendo aquilo. É superar os caprichos da natureza e encarar dias de calor inesperado, frio insuportável, chuva infindável. Ser thru-hiker é empreender em uma jornada física e levar seu corpo ao extremo (na Pacific Crest Trail, por exemplo, eu perdi 14 quilos nos quatro meses caminhando) e entrar de sola em uma incrível, inexplicável e inigualável viagem mental.

É impossível começar uma trilha de longo curso e terminá-la sendo a mesma pessoa. Ser thru-hiker é estar em constante mutação.

Ainda assim, não existem barreiras para ser um thru-hiker. Não importa sua idade, seu gênero, seu peso. Em 2013 a americana Neva Warren completou sozinha os 3.250 quilômetros da Appalachian Trail. Ela tinha 15 anos de idade. Quando fiz essa mesma trilha, em 2017, tive o enorme prazer me encontrar com Dale Sanders, o Grey Beard, que aos 82 anos se tornou a pessoa mais velha a percorrê-la. Sei de uma família inteira que fez a Appalachian Trail em 2018: pai, mãe e seis filhos, com idades entre 2 e 16 anos, começaram e terminaram a trilha juntos.

Ao lado de Grey Beard, o mais velho a percorrer a Appalachian Trail. Foto: Jeff Santos/Acervo Pessoal

Niki Rellon teve uma das pernas amputadas depois de um acidente de escalada (seu capacete rachou em dois lugares, ela quebrou a bacia e sua perna ficou tão esmagada que precisou ser cortada). Mas isso não a impediu de completar a Pacific Crest Trail em 2006 e a Appalachian Trail em 2015. Não por acaso seu nome de trilha é Mulher Biônica. No ano passado, em 2019, enquanto eu fazia a PCT, outro caminhante chamava toda a atenção do público: Cory McDonald pesava mais de 180 quilos quando começou, na fronteira dos Estados Unidos com o México, ainda em janeiro. Além de obeso, estava deprimido e com sérios problemas cardíacos e de pressão. Depois de nove meses e um acidente que o tirou da trilha por algumas semanas ele chegou na fronteira com o Canadá, mais de 50 quilos mais magro e com a saúde mais equilibrada. Foi uma empreitada de nove meses. Mas Cory, o Second Chance Hiker, era finalmente um thru-hiker: ele havia caminhado 4.250 quilômetros – apesar de nos primeiros quatro dias ter andado apenas dez quilômetros no total.

E aqui no Brasil?

Quando fiz os 420 quilômetros do Caminho da Fé, em 2015, não conhecia a definição de thru-hike. Também não conhecia quando fiz a Estrada Real, de Diamantina a Paraty, no ano seguinte. Eu simplesmente saí e caminhei pelos dois, do início ao fim. Não me importava se eu era um thru-hiker. Porque não sabia que tal coisa existia.

Mas com a popularização do termo por aqui nestes últimos anos e com a consolidação da Rede Brasileira de Trilhas de Longo Curso, começam a surgir aqueles que podem ser considerados os primeiros thru-hikers brasileiros. E eu não falo de gente que, como eu, saiu daqui para fazer trilhas em outros países. Mas de pessoas que começam a percorrer, de ponta a ponta, algumas das dezenas de trilhas longas que fazem parte da Rede e que começam ter sua demarcação e sinalização completas.

A Trilha Transcarioca, por exemplo, com seus 183 quilômetros de extensão, já completamente implementada, pode ser percorrida em duas semanas, seja seguindo as botas amarelas sobre o fundo preto no sentido Barra de Guaratiba-Urca ou no caminho inverso, seguindo as botas pretas sobre o retângulo amarelo. Por sua proximidade com a cidade, a Transcarioca também permite que o caminhante a faça por seções e fora da sequência natural da trilha. E um bom número de pessoas já fez isso.

Com 300 quilômetros de extensão e completamente sinalizado, o Caminho de Cora Coralina, no estado de Goiás, é mais semelhante aos caminhos de peregrinação europeus, como o de Santiago, ou as trilhas históricas, como a Estrada Real, em Minas. Seu traçado, primordialmente por estradas de terra, não permite acampar, exigindo o pernoite nas pequenas cidades e povoados do percurso. Por causa disso, o Caminho de Cora exige 18 dias de caminhada para ser feita do início ao fim. E também ali vários hikers já completaram todo o percurso entre os municípios de Corumbá de Goiás e Cidade de Goiás.

OS 183 km da Transcarioca já estão implementados e sinalizados. Foto: Duda Menegassi

As trilhas de longo curso brasileiras de maior extensão e que têm características mais próximas das trilhas americanas (autossuficiência e necessidade de carregar todo seu equipamento de camping), como a Transmantiqueira, que tem 1.114 quilômetros previstos, e a Transespinhaço, com mais de 700 quilômetros planejados, ainda não têm um traçado definitivo ou não estão completamente sinalizadas. O que não impediu que algumas pessoas já tenham se aventurado pelos percursos.

Mas o grande desafio, aquele que acende o desejo de todo caminhante que curte trilhas (realmente) longas é a possibilidade de, um dia, poder caminhar do Oiapoque ao Chuí. Mas se uma trilha como a Appalachian Trail levou 16 anos para estar completa e outros onze para ser caminhada em sua totalidade em uma temporada, acredito que ainda vai demorar para que nós vejamos um thru-hiker brasileiro completar o percurso.

Mas é só questão de tempo. Hoje temos alguns poucos heróis que fizeram as trilhas já completas e sinalizadas e outros que se embrenharam por trechos ainda não terminados. E, a cada dia, mais e mais caminhantes, os nossos thru-hikers, estão fazendo – numa tacada só – as diversas e belas trilhas da Rede. Tudo a pé.

E, um dia, alguém irá ter o tempo, a coragem, a disposição e a preparação mental para caminhar toda a costa pelas trilhas brasileiras. Seja quem for essa pessoa (que eu espero ainda conhecer) fica aqui uma dica: não se intimide pelo tamanho da empreitada. Imagine que, no fundo, no fundo, essa trilha enorme será apenas uma rede, conectando pequenas trilhas e unidades de conservação pelo Brasil. De norte ao sul. Do Oiapoque ao Chuí.

Assista na íntegra a live sobre thru-hike realizada na última terça (29/09):

*Jeff “Speedy Gonzalez” Santos é autor do blog www.longadistancia.com

 

As opiniões e informações publicadas na área de colunas de ((o))eco são de responsabilidade de seus autores, e não do site. O espaço dos colunistas de ((o))eco busca garantir um debate diverso sobre conservação ambiental.

 

Leia também

As montanhas estão chamando e eu preciso ir

Trilha com conforto: uma jornada nos Caminhos da Baleia Franca, no litoral catarinense

Caminho dos Faróis: a dura jornada que dá início a Oiapoque x Chuí

Leia também

Análises
13 de setembro de 2020

Caminho dos Faróis: a dura jornada que dá início a Oiapoque x Chuí

Extensão de 240 km de praias desertas no litoral do Rio Grande do Sul é cenário inóspito onde começa - ou termina - a mais ambiciosa trilha de longo curso brasileira

Análises
29 de setembro de 2020

Trilha com conforto: uma jornada nos Caminhos da Baleia Franca, no litoral catarinense

Percurso idealizado de 160km dentro da Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca, em Santa Catarina, concilia belas paisagens naturais, patrimônio arqueológico e, quem diria, conforto

Reportagens
24 de novembro de 2019

As montanhas estão chamando e eu preciso ir

Mesmo após duros 4 meses de caminhada com corpo e mente postos à prova pela Pacific Crest Trail, o final da jornada traz a certeza: não há lugar como a montanha

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. AA Cansado diz: