Análises

Calculadora de Custo de Carro

O início do ano é um bom momento para calcularmos o quanto custa manter um carro individual ou familiar. Veja nossa calculadora!

Redação ((o))eco ·
28 de janeiro de 2015 · 7 anos atrás

Estamos no início do ano, época em que os estados costumam cobrar o IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores). É um bom momento para calcularmos o quanto custa manter um carro individual ou familiar. Se você nunca fez esse cálculo, provavelmente vai se impressionar com o resultado: ter carro é caro. Principalmente se você vive em uma cidade de médio ou grande porte, onde custos de estacionamento e garagem são altos.

Os custos mais óbvios de possuir um carro envolvem: impostos (IPVA e DPVAT, o seguro obrigatório), seguro privado para o caso de roubo e acidentes, gastos com gasolina e estacionamento.

Entretanto, existem também custos implícitos – que costumamos não calcular — como depreciação e juros perdidos caso você aplicasse o valor do veículo a juros. Caso você seja dona da própria garagem, este também é um custo implícito, pois existe um custo de oportunidade – a oportunidade renunciada — de alugá-la a terceiros. Se você estaciona na rua, lembre que o espaço ocupado por seu carro também tem um custo de oportunidade para a cidade: poderia virar parte de uma ciclovia, por exemplo.

A Calculadora de Custos de Carro de ((o))eco pensou nisso tudo para facilitar o seu cálculo. Aprenda como usá-la.

Há itens calculados a partir de estimativas sobre o valor atual de mercado do veículo.

A primeira coisa a fazer é preencher o valor de mercado do seu veículo no campo “Valor Atual do Carro”. Isso vai gerar uma estimativa de “Gastos Anuais com Manutenção” (2% do total valor total do veículo), “Juros Ganhos…” descontada a inflação (3%) e “Depreciação” (10%). Esses subtotais são calculados sobre parâmetros conservadores.

Outros campos, você deve inserir baseado no número exato ou na sua própria estimativa. São eles: IPVA, DPVAT, “Gastos Semanais com Gasolina”, “Aluguel de Garagem na Residência” (há um outro campo caso você alugue vaga no trabalho) e “Estacionamento 1/Estacionamento 2”(de novo, com possiblidade para dois tipos/preços de vaga).

No caso dos campos para gastos de estacionamento, o campo da esquerda é para o valor unitário pago a cada vez, e o campo à direita para o número de vezes por semana em que o gasto é feito.

Se você tem garagem própria e pode aluga-la, coloque no campo o seu valor de mercado. Mesmo que haja algum empecilho em alugar a própria garagem, o valor de mercado do espaço dá uma noção de desperdício gerado pelo carro.

Observação importante: campos não preenchidos devem manter o zero que vem como padrão. Senão, a calculadora dá erro.

No exemplo abaixo, calculamos o custo de um carro modelo Nissan Livina X-Gear 1.6 16V (flex) 2010, com valor de mercado estimado em cerca de R$31 mil. Não é um carro caro e o dono conseguiu bom preço de seguro privado, roda pouco e usa pouco estacionamento pago. Mesmo assim, o custo mensal do carro foi estimado em R$13.038 por ano, ou R$1.086 por mês.

Aguardamos com curiosidade o seu comentário e feedback. Esse post e a própria calculadora ainda devem sofrer modificações para aperfeiçoá-lo.

Ah, e se o resultado for assustador, cogite comprar uma bicicleta, andar mais de transporte público, táxi ou uma mistura dessas alternativas.

 

 

Leia também
Vendi o carro, vou de avião
Dia Mundial sem Carro: para quê e para quem
Cidades para pessoas são feitas de “homens lentos”

 

 

 

Leia também

Análises
17 de setembro de 2021

O Brasil no coração da conservação mundial da natureza

O Congresso da IUCN anunciou a agenda de conservação da natureza para a próxima década, invocando os governos a empreender uma recuperação baseada na natureza no pós-pandemia

Notícias
17 de setembro de 2021

Ministério cria programa para fazer o que a Agência Nacional de Águas já faz

Lançado nesta sexta (17), o Rio+Limpos tem como objetivo disponibilizar dados sobre qualidade das águas e fomentar ações de melhoria e saneamento, competências historicamente feitas pela ANA

Notícias
17 de setembro de 2021

Tocantins vende terras públicas invadidas a R$ 3,50 o hectare

Valor é o mais baixo entre os estados da Amazônia, revela estudo do Imazon. Além do preço irrisório, Tocantins tem pior colocação no ranking de transparência

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta