Análises

A culpa da destruição é sempre dos outros

A recente criação da Frente Parlamentar "Anti-UCs" parece resultado de um Congresso desvairado. Ou será que olhamos só para um lado?

Pedro da Cunha e Menezes ·
4 de junho de 2014 · 7 anos atrás

São Paulo ao anoitecer. Nela e em outras grandes metrópoles está talvez a principal batalha a ser ganha pela conservação. Foto:
São Paulo ao anoitecer. Nela e em outras grandes metrópoles está talvez a principal batalha a ser ganha pela conservação. Foto:

A luta contra a degradação do meio ambiente não será vencida apenas com planos de manejo, regularização fundiária e outras medidas de ordem técnica, aplicadas nas Unidades de Conservação. Ela só pode ser ganha se tiver o apoio das pessoas que vivem nas grandes cidades como o Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília. Aí é que estão sediados os grandes jornais, as redes de televisão, os formadores de opinião, as universidades. Das grandes metrópoles saem os novos modos de pensar e os padrões de comportamento. Nelas, de fato, vivem o Presidente da República, os governadores e os parlamentares. Nas suas ruas, restaurantes e bares são decididos o orçamento público e os rumos da nação.

Se não formos capazes de atrair a atenção e contruir uma relação de amor pela natureza nesses segmentos, jamais poderemos sonhar em estancar a destruição da mata da Amazônia, do Cerrado ou mesmo da Mata Atlântica.

Em um regime democrático, nenhum tema vira prioridade nacional sem o apoio da opinião pública.

Por isso, é preciso colocar o “Conhecer para conservar” em prática. O manejo das Unidades de Conservação tem que incluir a visitação, a educação ambiental e a formação de um grupo de pressão em torno da agenda verde. Caso contrário, continuaremos sempre a ser um punhado de indignados a gritar no vazio. Os deputados da nova Frente Anti-UCs apenas respondem à pressão dos seus eleitores.

Onde erramos? Não fizemos uma política de visitação instrumentalizada para a criação de um apoio popular à causa da conservação. Onde continuamos a errar? Não estamos revendo essa política…já que para nós, conservacionistas…a culpa do fracasso é sempre dos outros.

 

 

Leia também
214 deputados formam Frente Parlamentar contra UCs
Visitação é essencial nos parques estaduais do Rio de Janeiro
Criação de frente parlamentar contra UCs é pesadelo ambiental

Saiba mais
WikiParques

 

 

 

Leia também

Notícias
21 de junho de 2021

Estado do Rio reconhece sua 100ª reserva particular

A marca da centésima Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) foi alcançada na última semana. Reservas correspondem a mais de 8.400 hectares protegidos no estado

Reportagens
21 de junho de 2021

Coalizão entre ciência e sociedade acena com esperança para a Baía de Guanabara

Universidade do Mar buscará potencializar parcerias para enfrentamento da problemática socioambiental da baía mais populosa e degradada do Estado do Rio de Janeiro

Salada Verde
21 de junho de 2021

Salles exonera superintendente do Ibama no Acre

Helen de Freitas Cavalcante ficou três meses no cargo. Antes de assumir a superintendência do Ibama, advogada atuava na defesa de infratores ambientais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta