Análises

Por favor, me deixe conhecer (quem sabe viro conservacionista?)

A vocação da moça brasileira por correr em trilhas acabou na Espanha. Possivelmente, porque ela não tem acesso a trilhas do seu próprio país.

Pedro da Cunha e Menezes ·
19 de março de 2014 · 8 anos atrás

Fernanda Maciel. Crédito:
Fernanda Maciel. Crédito:

Esses dias recebi o link do blogue de Fernanda Maciel, uma ultramaratonista brasileira. Nunca tinha ouvido falar em Fernanda, mas a capa do blogue era uma louvação ao Parque Nacional de Itatiaia. O texto chamou minha atenção: “O Parque Nacional do Itatiaia é a mais antiga reserva ecológica estabelecida no Brasil, criada em 1937, bem na divisa do estado de Minas Gerais e Rio de Janeiro, numa região montanhosa conhecida como Serra da Mantiqueira. Seu ponto mais alto é o Pico das Agulhas Negras com 2.791 metros de altitude. Para quem gosta de estar em contato com a natureza, o Parque do Itatiaia proporciona a opção de percorrer várias trilhas no meio da mata preservada, com fauna e flora bem diversificada, que levam até mirantes com lindas vistas panorâmicas e cachoeiras para se refrescar”.

Quem é essa moça que escreve com tanto amor sobre nossas áreas protegidas? Fiquei curioso e sai explorando o resto do site. Na aba “biografia” descobri que Fernanda aprendeu a gostar da natureza caminhando nas trilhas e se banhando nas cachoeiras de Minas Gerais, onde nasceu. Ou seja, foi durante seu contato com a natureza como usuária de trilhas e cachoeiras que Fernanda aprendeu a ser militante ambiental (caminho que, aliás, é o mais comum na formação de conservacionistas em todo o mundo). Ao ficar adulta Fernanda começou a trabalhar como advogada ambientalista e a militar em uma ONG como educadora ambiental. Hoje, Fernanda se mudou para a Espanha, país onde vive.

Não é de espantar que Fernanda tenha se mudado para a Europa. Em sua nova postagem no blogue ela relaciona a lista de ultramaratonas que vai disputar esse ano. Praticamente todas elas passam pelas trilhas de importantes Unidades de Conservação pelo planeta afora. Nas Canárias e na ilha de Reunião atravessam Parques Nacionais que também são Patrimônios Mundiais da Humanidade, onde estão espécies endêmicas e ameaçadas.

No Brasil, seria virtualmente impossível à Fernanda correr em áreas protegidas do mesmo tipo. A vasta maioria de nossos planos de manejo zoneia as unidades de forma a tornar as áreas abertas ao uso público reduzidas demais para tal. Quando não o fazem, proíbem terminantemente a realização de competições esportivas em suas trilhas.

Do jeito que vamos em nosso país, estamos matando no berço o nascimento de novas Fernandas. O Brasil de hoje, a cada dia, oferece menos oportunidades de desfrute da natureza fora de Unidades de Conservação. Essas, por sua vez, têm planos de manejo cada vez mais restritivos ao uso por pessoas dedicadas a atividades desportivas como Fernanda. Estamos criando a cobra que há de nos picar.

E assim, pessoas adultas apaixonadas pela natureza e aliados incondicionais da conservação vão embora do país. Enquanto isso, nós prosseguimos no laborioso esforço de ir confeccionando novos planos de manejo que contenham sempre as proibições necessárias e imprencindíveis para que futuros apaixonados pela natureza Brasil afora não possam crescer por falta absoluta de contato livre com trilhas e cachoeiras.

Vai entender…

 

Leia também
Conhecer para conservar: um pouco de história (parte 1)
Conhecer para conservar: transformando usuários em aliados (parte 2)
Ecoturismo para defender o Cerrado

 

 

 

Leia também

Notícias
23 de setembro de 2021

Sociedade civil repudia propostas antiambientais da Economia

Planos de Paulo Guedes e setor empresarial para o meio ambiente estão sendo analisados pelo Ibama, que tem até dia 30 de setembro para responder

Reportagens
23 de setembro de 2021

Ilegal, desmate autorizado pelo governo da Bahia é maior que a cidade do Recife

Área compõe latifúndio considerado um dos maiores casos de grilagem do país. Titulação do território tradicional das comunidades geraizeiras do Cerrado é fundamental para conter a devastação

Reportagens
22 de setembro de 2021

Mudança climática deve alterar o funcionamento de comunidades de microrganismos marinhos, aponta estudo

Grupo de pesquisadores de várias partes do mundo concluiu que o plâncton do planeta se organiza em consórcios microbianos, em que uma espécie depende da outra para viver

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta