Répteis expostos

((o))eco
sexta-feira, 30 junho 2006 17:15

Uma exposição do Museu de História Natural de Nova York traz informações sobre cobras e lagartos, com textos, fotos e gravuras, além de espécimes vivos dos animais. Segundo o jornal The New York Times, a idéia da mostra não é aproximar o museu de um zoológico. O importante são as explicações científicas a respeito dos bichos. Por exemplo: você sabia que alguns tipos de cobra se fingem de mortas para enganar predadores?

Bactérias a granel

((o))eco
sexta-feira, 30 junho 2006 17:14

Folhas de plantas da Mata Atlântica surpreenderam pesquisadores brasileiros e americanos. Nelas foram encontradas 13 milhões de espécies de bactérias, quase três vezes mais do que a Ciência conhecia. Essa abundância surpreenderia ainda mais, se não restasse apenas 8% da cobertura original de Mata Atlântica. A notícia está na revista Ciência Hoje.

Ela vem chegando

((o))eco
sexta-feira, 30 junho 2006 17:08

Começa nesta segunda-feira, dia 3 de julho, às 9h no Centro Integrado de Governo, em Belém, a consulta pública para a criação de uma das maiores áreas protegidas do mundo, a Floresta Estadual do Paru. Trata-se de uma área de 3,6 milhões de hectares no norte do Pará, na margem esquerda do rio Amazonas. Se implantada em seu desenho original, será a segunda maior unidade de conservação do planeta. A área está próxima aos municípios de Monte Alegre, Alenquer e Almeirim. Neste último, ocorrerá a segunda consulta pública, no dia 6 de julho.

Cereja do bolo

((o))eco
sexta-feira, 30 junho 2006 17:05

A Floresta do Paru é a rainha de 9 polígonos de proteção propostos pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) a pedido do governo do Pará. Serão 5 florestas estaduais e 4 áreas de proteção ambiental (APAs). As duas primeiras áreas a serem criadas serão as Florestas Estaduais do Iriri, que já está em consulta pública, e do Paru. O levantamento feito pelo Imazon já é fruto de elogios na comunidade científica. Foi feito em apenas três meses. O estudo pode ser lido na internet.

A linha tênue

((o))eco
sexta-feira, 30 junho 2006 17:03

O pesquisador Beto Veríssimo, do Imazon, lembra que a floresta pública é a categoria de unidade de conservação em que a linha entre proteção integral e uso sustentável é mais tênue. Na Floresta Nacional do Tapajós, por exemplo, 33% são reservados para permanecerem intocados. No caso da Floresta do Paru, ele acredita que 40% devem ser destinados à proteção integral, pois há trechos com relevo acidentado. No restante, a extração de madeira, andiroba, copaíba, entre outros produtos florestais poderá ser a opção. O turismo também deve entrar na jogada. “A área é muito bonita”, frisa Veríssimo.

Motivados

((o))eco
sexta-feira, 30 junho 2006 16:57

O Zoneamento Ecológico Econômico (ZEE) do Pará está por trás dos pedidos do Governo Estadual ao Imazon. No plano, o estado deverá ter 27% do território destinado a unidades de conservação de uso sustentável e até agora só existem 12%. Além disso, houve um interesse dos madeireiros que atuam na legalidade de criarem áreas que possam ser licitadas dentro da nova lei de gestão de florestas públicas.

Cavernas para iniciantes

((o))eco
sexta-feira, 30 junho 2006 16:44

Neste domingo, dia 2 de julho, será lançado o livro “Conhecendo Cavernas: Região Metropolitana de Curitiba”, que comemora os 20 anos do Grupo de Estudos Espeleológicos do Paraná (Geep-Açungui). A publicação traz estudos em 30 cavernas com uma linguagem simples e muitas fotos, para que o público leigo entenda a importância da preservação dessas áreas. O evento acontece às 18h no Memorial de Curitiba, no Lago da Ordem.

O outro lado

((o))eco
sexta-feira, 30 junho 2006 16:37

A Companhia de Limpeza Urbana de Niterói (Clin) diz não entender o motivo da revolta dos moradores das proximidades do aterro sanitário Morro do Céu. Eles reclamam o descumprimento de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado pela prefeitura com o Ministério Público. Ao contrário do que os moradores alegam, diz a Clin, o prazo dado pelo TAC ao município para desativar o aterro é dezembro deste ano, não abril. A prorrogação da data teria sido feita levando em conta o estudo de três especialistas que deram o aval para o seu funcionamento por mais este período.

Vetado

((o))eco
sexta-feira, 30 junho 2006 13:52

A Secretaria de Meio Ambiente de São Paulo acaba de arquivar pedido de licença da construtora Queiroz Galvão para a implantação de um aterro sanitário regional em Taboão, distrito de Mogi das Cruzes. O estado considera o empreendimento inviável do ponto de vista ambiental, por alterar o uso do solo na região e depender de estrada municipal sem estrutura suficiente para o tráfego dos caminhões. Caso saísse do papel, o aterro teria capacidade para receber mil toneladas de lixos industrial e doméstico por dia.