Mangue 1 x 0 Shopping

Lorenzo Aldé
quinta-feira, 30 junho 2005 19:06

Uma ação popular conseguiu paralisar a construção de um grande shopping em área de mangue no bairro Santa Mônica, em Florianópolis. A ação foi movida pelo advogado Marcelo Peregrino Ferreira contra a Prefeitura da capital catarinense. De acordo com o desembargador Edgard Lippmann Júnior, do Tribunal Regional Federal (TRF), que concedeu liminar suspendendo a obra, a Prefeitura não poderia autorizar o shopping porque a área pertence à União. “A paralisação da obra não podia ser postergada, pois depois a situação talvez não tivesse mais retorno”, afirmou Lippmann. O Grupo Santa Fé, proprietário do shopping, anunciou que vai recorrer. “Se o terreno do shopping está ilegal, todo o bairro está”, afirmou, em nota.

Véspera de campeonato

((o))eco
quinta-feira, 30 junho 2005 14:31

Enquanto o jornal britânico The Guardian (gratuito) deu destaque na capa para os acertos finais da reunião do G-8, que tratará de aquecimento global, a imprensa americana não deu a mínima para o assunto. Sinal da importância que cada país está dando para o encontro. O primeiro ministro britânico, Tony Blair, se esforça para convencer os participantes a se comprometerem a diminuir as taxas de emissão de carbono. Já o governo Bush vem remando na direção contrária. Até agora, os Estados Unidos estão levando a melhor.

Área de risco

((o))eco
quinta-feira, 30 junho 2005 14:29

Na capa do The New York Times (gratuito) está a história fantástica de uma senhora de 50 anos que foi presa por morar dentro de uma caverna cavada por lava no Havaí. Ela foi acusada de acampamento ilegal, distúrbio de paisagens geológicas e poluição – os móveis que ela mantinha dentro da caverna foram considerados lixo. Mas Ms. Harmony é apenas o caso mais radical de um grupo de americanos que decidiu morar bem perto de vulcões. Eles acham a paisagem linda e no último ano o valor desse tipo de terreno no Havaí já aumentou em 20%. Os cientistas avisam: a lava vai cobrir tudo em breve.

720 horas acordado

((o))eco
quinta-feira, 30 junho 2005 14:25

Cientistas da Califórnia descobriram que orcas e golfinhos-nariz-de-garrafa não dormem durante o primeiro mês de vida. Como mãe é mãe, elas também não fecham o olho para poder vigiá-los. Um dos motivos para a insônia precoce seria a necessidade de se movimentar para se aquecer, uma vez que o corpo ainda não tem muita gordura. A história está na Folha de São Paulo (só para assinantes).

Filhos: Por que não tê-los – VII

Lorenzo Aldé
quinta-feira, 30 junho 2005 13:13

De Pedro P. de Lima-e-SilvaEngenheiro Ambiental, PhDServico de Seguranca Radiológica e AmbientalComissão Nacional de Energia NuclearCaro EcoParabéns a Silvia Pilz que teve a coragem que falta a muitas. Ao quase protesto que sua coluna atual se parece, acrescento um dado importante: os países que conseguiram boa qualidade de vida são os que estabilizaram sua população e vice-versa, mostrando que há uma correlação forte entre os dois fenômenos.Eu e minha esposa tivemos que pensar muito para ter nossa filha, que veio na data programada e no momento desejado, após acertos econômicos necessários. Criar uma criança hoje é uma opção caríssima, se todos os custos forem de fato considerados, de alta responsabilidade, porque você está obrigando um novo ser a sobreviver nessa selva, no sentido pejorativo da palavra, e elimina uma série de alternativas possíveis na sua vida. Uma nova vida detona a maioria dos seus momentos românticos, estressa seu tempo fora do trabalho e afeta, às vezes profundamente, sua saúde, porque aquelas malhações que você fazia não têm mais espaço.Nossa filha é amada, profundamente amada, e não nos arrependemos nem por um segundo de a termos “produzido”. Mas isso não precisa me fazer hipócrita ou cego de que um filho é um terremoto na sua vida, e que é preciso querer isso com muita determinação e consciência. Fabricar 3, 4, 5 ou mais filhos porque não temos televisão, porque é “divertido”, porque a gente “dá um jeito”, porque “onde come dois, comem três” são falácias abomináveis e irresponsáveis.Não são poucos hoje os conhecidos que não têm filhos, e não vejo neles nenhuma infelicidade, muito pelo contrário. Se lhes falta essa experiência, lhes sobra tempo para atividades importantes, para uma liberdade invejável e, porque não dizer, para prazeres quase inalcansáveis aos pais. Não ter filhos deve ser uma opção de vida tão válida quanto qualquer outra.Só faço uma ressalva à coluna, que parece colocar que a opção de adotar deveria ser preferencial à de produzir. A vida não é assim determinada, e nenhum dinheiro do mundo me faria abrir mão de minha própria genética, ou de como diz minha mulher, daquele “cheirinho de cromossoma”. Adotar é uma ação das mais nobres, e eu admiro profundamente quem o faz, mas assim como ter ou não ter filhos, também deve ser uma opção individual, na qual os outros não têm o direito de se meter.abs,

Filhos: Por que não tê-los – VI

Lorenzo Aldé
quinta-feira, 30 junho 2005 12:34

De MairySilvia, também não tenho filhos, não os quero nem nunca quis, para horror da maioria das pessoas. E não adoto pelo mesmo motivo que a maioria, hoje, não os adota: a questão genética. Somos 95% frutos dos nossos gens, imagine que carga genética traz uma criança abandonada, já que a mãe e o pai não quiseram,sequer, assumir sua prole. Mas não penses que estás sozinha, pois tenho muitos amigos que fizeram a mesma opção que eu e sou, realmente, muito feliz e vivo em paz com minha consciência e meu espírito. Um grande abraço.

Filhos: Por que não tê-los – V

Lorenzo Aldé
quinta-feira, 30 junho 2005 11:31

De PaulaSilvia,Gostaria de parabenizá-la pelo texto escrito por você no último dia 26. É um alivío muito grande saber que não estamos sozinhas no mundo e saber que existem pessoas que pensam como a gente!Há alguns anos atrás tinha muita raiva do poema Enjoadinho do Vinícius de Moraes, que dizia:”Filhos… Filhos?Melhor não tê-los!Mas se não os temosComo sabê-los?”…Eu, meio que me sentia na obrigação de ter filhos e muitas vezes me via prestando contas para a sociedade, acredita?E quando viam aqueles tias chatas e falavam: Nossa você já está casada há 2 anos e nada de bêbes? Olha se você esperar muito a idade vem e aí você já sabe, né! Juro, que tinha vontade de dar um murro na cara delas… e falar…a senhora não acha que tem coisas mais importantes no mundo???Bom, acabei me separando e hoje estou com 33 anos, e continuo sem a menor vontade de ter filhos!Fiquei muito feliz em saber que existe no mundo pessoas como você!Um grande abraço.

Quatro dias para morrer

Lorenzo Aldé
quinta-feira, 30 junho 2005 11:28

De Adriano ScottiOlá Liège, recebi a reportagem “Quatro dias para morrer – Centro de Controle de Zoonoses de Porto Alegre” é chocante a situação, em minha Cidade (Criciúma-SC) às vezes até me sinto aliviado por não termos um centro destes, o controle das zoonoses é importante mas o prazo dado por eles é muito curto, ainda mais se não há uma apoio da mídia. Aqui lutamos por um abrigo há anos, fazemos de tudo por eles e é sempre bom conhecer mais pessoas que também lutam assim como você. Obrigado.

Filhos: Por que não tê-los – IV

Lorenzo Aldé
quinta-feira, 30 junho 2005 11:26

De Verônica Beatriz GoidanichParabéns SilviaLi teu artigo no “ECO” e concordo 100%.Também não tive filhos e sempre os evitei. E ainda acho que as pessoas que têm filhos, muitas vezes o fazem egoisticamente. Senti a mesma coisa por parte dos conhecidos que me tratam às vezes como um ET. Agora simplesmente digo o que penso: que o grande problema do mundo é o excesso de gente e que estamos no mínimo 30 anos em atraso para um controle de natalidade no Brasil. Dificilmente alguém discorda de mim nesta parte.Cordialmente