A cara do amor

((o))eco
terça-feira, 31 maio 2005 19:42

Amor não tem nada a ver com sexo. É o que dizem cientistas americanas que andaram escaneando imagens de cérebros de rapazes e moças apaixonados. Numa tela de computador, o cérebro inebriado pelo amor profundo fica igualzinho ao que está sofrendo psicoses. É completamente diferente das imagens que se consegue ver de cérebro interessado em levar alguém para a cama. A reportagem é do The New York Times.

Exemplo

((o))eco
terça-feira, 31 maio 2005 19:41

O The New York Times publicou editorial contra o desmatamento na Amazônia. Protege Marina, evita bater em Lula, mas pinta o Brasil como uma republiqueta, onde o governo é incapaz de impor ordem. Não diz nenhuma novidade, mas diz a verdade e pelo menos demonstra ter dado ao assunto a importância que ele merece. É mais do que fez a maior parte da imprensa brasileira.

Correndo no pé

((o))eco
terça-feira, 31 maio 2005 19:39

Reportagem do The Chicago Tribune sobre o novo tênis para corridas da Nike – desenhado para fazer o atleta sentir-se descalço – diz que ele é bom mesmo para ser usado como se fosse chinelo, de preferência dentro de casa. Não que a idéia seja ruim. O treino descalço tem um monte de defensores e o africano Abebe Bikila, desde 1960, quando ganhou na sola do seu pé o ouro da maratona nas Olimpíadas de Roma, mostrou as virtudes da coisa. O problema é que a concepção do tal tênis maravilhoso ignora o fato que as ruas das cidades hoje em dia estão cheias de detritos, contra os quais ele não protege.

Consumo de inglês

((o))eco
terça-feira, 31 maio 2005 19:37

O Guardian tem reportagem mostrando que pelo menos na Grã-Bretanha, não está longe o dia em que o consumidor só vai comprar alimentos orgânicos. O crescimento do mercado é estupendo. No ano passado, cresceu 10%, apesar das vendas no varejo de alimentos ter caído 1%. A reportagem diz que a comunidade científica está dividida sobre os benefícios dessa mudança de comportamento. Há quem diga que entre o alimento orgânico e o que vem cheio de pesticidas, não há qualquer diferença.

O selo e o evangelho

Lorenzo Aldé
terça-feira, 31 maio 2005 19:35

Na abertura do primeiro Congresso Ibero-Americano sobre Desenvolvimento Sustentável, nesta terça, no Rio, a ministra Marina Silva voltou a dizer que a sociedade civil deve colaborar para a diminuição do desmatamento no país. Os cidadãos podem participar, segundo ela, exigindo produtos que tenham selos de sustentabilidade. Fernando Almeida, presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), que organiza o evento, concordou. Para ele, se os consumidores pararem de comprar produtos feitos de madeira não-certificada, o mercado vai parar de vendê-los. “Quando foi anunciado que a Nike usava mão-de-obra infantil na sua produção, as pessoas boicotaram e a empresa quase foi à falência”, exemplificou. Ao falar das empresas que aderem à preservação ambiental apenas por marketing, Marina Silva citou passagem da Bíblia, em que o apóstolo Paulo diz que o evangelho deve ser pregado “não importa se por vaidade ou amor”.

Pobres diabos

((o))eco
terça-feira, 31 maio 2005 19:35

O diabo da Tasmânia, aquele bicho de cara feroz e alma mansa está sofrendo estranhíssima ameaça que pode muito bem levá-lo à extinção. Segundo o The New York Times, a população adulta está sendo dizimada por tumor facial de origem desconhecida. Não se sabe se os jovens, resgatados por humanos de perto de corpos putrefados de suas mães, terão ou não a doença quando chegarem à idade adulta. Os cientistas agora tentam evitar que a epidemia se espalhe por toda a Tasmânia. Ela tem 100% de mortalidade e tem se movido a distâncias que vão de 12 a 18 quilômetros por ano.

A bancada anti-araucária

((o))eco
terça-feira, 31 maio 2005 19:17

De Dornelis BenatoPrezado Sr. Marcos Sá CorrêaRecebi um texto com sua assinatura de 06.05.2005 sobre “A bancada anti-araucária” e gostaria de fazer alguns comentários pertinentes e necessários.Primeiro: Penso que esteja faltando algumas informações históricas de sua parte quanto à extração da madeira de araucária. Quem incentivou a extração foi o próprio Governo e não simplesmente alguns madeireiros gananciosos e não foi para fazer caixotes. O Brasil se beneficiou nos impostos da madeira exportada e com beneplácito do próprio Governo. Isto desde quando o Rei Dom João veio para o Brasil. Foi o Governo que incentivou a vinda dos imigrantes para colonizar o Sul. Eles, os imigrantes, tinham de derrubar os pinheiros para construírem as próprias casas e cortando as tábuas no braço, pois na época não havia serrarias e o Governo não oferecia as mínimas condições. As araucárias construíram muitas casas dos novos colonizadores, e essas casas não são caixotes. A tua afirmação: “quando os madeireiros decidiram que sua madeira dava excelentes caixotes”, soa pejorativa e desperta ira. Mas ninguém é obrigado a conhecer tudo, bem como não somos obrigados a nos calar quando somos ofendidos. E não sou madeireiro e nunca fui e não tenho parentes na área, mas vivi muitos anos em casa de madeira. Conclusão: as araucárias foram cortadas para exportar as tábuas para os países que tinham falta delas e para construir as casas e com os refugos se construía também caixotes. Contudo, sei de uma grande empresa que ainda tem licença para cortar uma certa reserva de araucárias para fazer palitos de dentes. Isto também me indigna e me desperta ira. Não posso fazer nada, pois acima de mim há muitos outros com autoridade e eu tenho de me calar.Segundo: Quem está sustentando esta ONG internacional, The Nature Conservancy? É inglesa ou americana? É fácil exigir que os outros conservem as matas quando eles já destruíram totalmente a deles. Por que não consertam a deles? Isso me leva a pensar que o Governo Brasileiro está a serviço de “outros” interesses. Principalmente por querer fazer reserva em cima do aqüífero Guarani. Sabemos de empresas internacionais que compraram grandes extensões nestas referidas áreas. Se for proteger para o benefício da Humanidade, tudo bem, se for para o benefício de multinacionais, é humilhante e odioso. Pior ainda: utilizando-se de organismos e pessoas brasileiras.Terceiro: o teu relatório tem uma grande falha quanto aos comentários sobre a pesquisa. Quais foram as pessoas pesquisadas? De que região do Paraná e de Sta. Catarina? Eram urbanos ou rurais? Quantas pessoas foram perguntas? Isso é muito importante, pois as médias e as porcentagens podem ser ótimos indicadores e também falsificadores. Do jeito que as informações estão colocadas ficam soltas e não podemos tirar qualquer conclusão.Quarto: neste item quero englobar vários aspectos. Não discordo que se tenha de preservar as araucárias e a floresta nativa, pelo contrário luto para isto com muito interesse. Mas há que se pensar como fazer esta preservação. Impor não é a solução, quem impõe é a ditadura militar. É necessário educar a população para isto, e isto é um trabalho a longo ou a médio prazo para se ter a colaboração da população. O Governo está na contramão dele mesmo, pois nem os próprios membros estão engajados na preservação. O que os deputados fizeram em Abelardo Luz é um reflexo da ação do Governo e pelos próprios membros do Governo. Ou seja, falta um trabalho de educação. MST e Governo, tudo faz parte do PT. A Teresa Urban que já apanhou na ditadura e devia saber como se deve agir. Impor é uma violência ditatorial e gera violência.Isso está mexendo no bolso deles sim e é muito lógico que vai gerar um processo de defender-se. Se mexessem no teu bolso ou na tua poupança ou em teus bens como você reagiria? Não acredito que você distribui o teu salário aos menos necessitados, assim como é natural que os madeireiros vão reagir na medida que tirarem os seus lucros. Abelardo Luz foi “agraciada” apenas do ponto de vista daqueles que têm a missão de fazerem o Parque das Araucárias e é uma “desgraça” do ponto de vista de quem investiu seu capital e seu trabalho naquela região e na exploração da madeira. Até muito pouco tempo era um negócio bem visto e o Governo recebia os impostos, porque concordava com isto e agora é malvisto? Você vai me dizer que mudou de enfoque. Concordo: então vamos preparar educando, principalmente os membros do próprio governo, e incentivando as pessoas para isto. Vamos fazer uma passagem gradativa. Por um conhecimento e experiência profissional na área humana, sei que toda unilateralidade vai constelar no pólo oposto uma energia igual e contrária. Para que não aconteça isto é necessário que se pense nos dois pólos: as pessoas têm de continuar na sua sobrevivência e tem de se resolver a preservação das matas. Nas tuas palavras: a “indústria local da motossera” exacerbou-se por causa de uma postura unilateral e presunçosa por parte do Governo. Não há dúvida que o Governo vai vencer, e deve vencer para o benefício de todos nós, mas poderá evitar desgraças. Este Governo sabe o que é ser oposição, então já deveria saber como administrar conflitos.Marcos, não jogue pedras nos outros, repense a maneira como agiram, pode ser que a estratégia esteja equivocada.Sugestão: Você sabe como é um problema o aumento do número de fiscais para o Ibama, os que têm já não dão conta do trabalho de fiscalizar o que já existe. Se fizerem um Parque das Araucárias em Sta. Catarina, e penso que não será diferente nos outros estados, será impossível uma fiscalização, pela extensão. Quem é mal intencionado vai controlar a passagem do fiscal e em seguida ataca, como acontece no Paraná com a reserva para preservar o corte do Palmito. Minha sugestão é fazer uma Área de Preservação Ambiental mantendo os proprietários no local e cada propriedade terá de deixar uma reserva numa porcentagem estipulada em lei e dar um incentivo a cada proprietário daquela área (em redução de ITR, por exemplo) para o plantio de araucárias. Cada um deles se transforma num fiscal do Governo para não permitir a depredação da mata nativa e das araucárias. Isso tudo além da reserva do não cultivo próximo aos rios e fontes, banhados, etc. Poderia ser feito um incentivo com outros benefícios para aqueles que fizerem um plantio maior de araucárias daquilo que é por lei. Quem tiver terra mais acidentada, não tratorável, terá interesse em recuperar a floresta. A APA poderá ser ampliada para uma área maior do que aquela estipulada.Agora, se o objetivo do Parque tem “outros interesses”, não divulgável, vai acontecer o que os portugueses fizeram em 1500. Será que nós teríamos de assistir a isso de braços cruzados como fizeram os índios? Penso que não.Estou te colocando esta sugestão e não sei qual tua participação neste projeto em nível de decisão. Fiz minha parte.Apenas como informação: moro no Rio Grande do Sul, numa chácara em Farroupilha e tenho assistido um desmando e depredação da natureza que eu pensei que não seria possível e com a conivência do Ibama, Fepam, Patam e Ministério Público, até agora nada fez. Foram desmatadas duas áreas de 48 hectares cada. Numa área foram “abatidas” mais ou menos 600 araucárias nativas, e o Ibama, ou o fiscal do Ibama, ensinou que as toras deveriam sair à noite para não ser pego por fiscais ou policiais. Depois era para ser enterrados os tocos dos pinheiros e galhos e plantar aveia para disfarçar. Com isso aterraram banhados, nascentes, que segundo os moradores mais antigos, nunca secou. Foi fotografado e denunciado até no ministério público e nada aconteceu. Na outra área foi derrubada uma mata nativa com árvores imensas, inclusive araucárias, e até hoje estão retirando a madeira para lenha, que também é distribuída à noite. Então, se o senhor pretende denunciar, teria de se dedicar a outros aspectos, porque salvar o Parque das Araucárias, não é salvar as araucárias. Esta preocupação tem de ser mais extensa e com participação de toda a população, inclusive dos órgãos que devem fiscalizar. Se “a indústria da motosserra” é perigosa, as outras indústrias são mais ainda, pois têm o produto da propina e a imunização… No final, eu penso que pouco resolve definir um Parque ou APA e continuar estes desmandos até em quem teria o dever de agir o contrário. Acontece que nós vivemos numa democracia onde alguns são mais iguais dos que os outros, apenas porque tem um cargo no Governo seja municipal ou federal.Saudações

No fogo para se queimar

((o))eco
terça-feira, 31 maio 2005 17:45

De Francisco Anselmo BarrosParabéns por seu artigo, continue. A Marina foi uma mentira assim como foi o Lula. Ambos tinham compromisso assinado com os ambientalistas, contra transgênicos, desmatamento etc. Um abraço.