Empalhar era conservar

Lorenzo Aldé
sexta-feira, 1 outubro 2004 11:39

De: Vinicius Nolasco de ToledoFundação Museu de Ornitologia Prezados Senhores, Em nome do Professor José Hidasi, da Fundação Museu de Ornitologia e de toda nossa equipe venho através desta parabenizá-los pela ótima reportagem “Empalhar era conservar”, relizada pela Sra. Lisbeth Oliveira e publicada por toda equipe do Jornal O Eco.Congratulamos pelo ótimo trabalho que vêm desempenhando, abordando assuntos pertinentes e de suma importância para a preservação de nosso meio ambiente.Desejamos prosperidade e sucesso a todos.Cordialmente,

McVegetariano

Manoel Francisco Brito
sexta-feira, 1 outubro 2004 11:25

A notícia, que está no Guardian (gratuito), vai deixar muita gente de boca aberta. A Sociedade Vegetariana, a maior organização anti-carnívoros do mundo, vai emprestar seu logo como selo de certificação do novo cardápio vegetariano do McDonalds. A cadeia de fast-food ainda não tornou público o acordo porque, segundo o jornal, estava estudando maneira de divulgá-lo que não provocasse reação negativa para a Sociedade de Vegetarianos. Atropelada pela descoberta do acordo, a Sociedade divulgou carta em que diz que não há porque discriminar a certificação de produtos de qualquer empresa se eles estiverem dentro dos critérios de nutrição estabelecidos por seus analistas.

Fora

Manoel Francisco Brito
sexta-feira, 1 outubro 2004 11:23

O Laboratório Merck anunciou que está retirando do mercado mundial seu antiinflaamatório Vioxx e recomendou que pacientes que estejam injerindo a medicação suspendam imediatamente o tratamento. Estudo da Merck concluiu que seu uso contínuo aumenta o riso de problemas cardiovasculares. No Brasil, diz a Folha de S. Paulo (só para assinantes) o Vioxx é o líder de vendas em seu segmento. Em 2003, rendeu para os cofres da empresa aqui cerca de 30 milhões de dólares.

Desabite-se

Lorenzo Aldé
sexta-feira, 1 outubro 2004 10:05

Erguido em uma Área de Preservação Permanente (APP) pertencente à Marinha, o condomínio de luxo Retiro do Sol Nascente, em Bombinhas, Santa Canarina, terá que ser demolido. A decisão unânime, em segunda instância, foi tomada pelo Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região. Além de derrubar as casas de alvenaria já edificadas, a construtora Antuérpia terá que recuperar toda a área degradada, composta por dunas e restinga. A Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina (FATMA) também foi condenada a pagar pela irregularidade, “já que autorizou o empreendimento sem tomar as devidas precauções”. A demolição deverá acontecer no prazo de 90 dias, a partir do trânsito em julgado da sentença, sob pena de multa diária de mil reais.