Download PDF
A atriz Christiane Torloni fala durante reunião com Rodrigo Maia em seu gabinete. Foto: Cristiano Costa/Greenpeace

A atriz Christiane Torloni fala durante reunião com Rodrigo Maia em seu gabinete. Foto: Cristiano Costa/Greenpeace

Um grupo de artistas, indígenas e ambientalistas realizou um ato na manhã desta terça-feira (12) no Congresso Nacional para pedir a proteção da Amazônia e o fim dos retrocessos na agenda ambiental conduzidos pelo governo Temer e pela bancada ruralista.

Eles foram recebidos pelos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e entregaram a Maia petições com 1,5 milhão de assinaturas em defesa da floresta.

O grupo reuniu nomes como Christiane Torloni, Susana Vieira, Arlete Salles, Maria Paula, Victor Fasano, Alessandra Negrini, Maria Gadú, Tico Santa Cruz e Rappin Hood, além da atriz e produtora Paula Lavigne e da coordenadora da Apib (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil), Sônia Guajajara.

Antes da audiência com Maia, o grupo leu no Salão Verde da Câmara uma carta dirigida aos presidentes das duas Casas, com críticas a sete pontos: a extinção da Renca (Reserva Nacional de Cobre e Associados), a flexibilização das regras de licenciamento ambiental, a redução de áreas protegidas, a liberação de agrotóxicos, a facilitação da grilagem de terras, o ataque aos direitos indígenas e a venda de terras a estrangeiros.

Alessandra Negrini, Rappin Hood, Susana Vieira, Maria Paula, Christiane Torloni, Luís Fernando Guimarães, Maria Gadú e Victor Fasano. Foto: Cristiano Costa/Greenpeace

Alessandra Negrini, Rappin Hood, Susana Vieira, Maria Paula, Christiane Torloni, Luís Fernando Guimarães, Maria Gadú e Victor Fasano. Foto: Cristiano Costa/Greenpeace

“O que está envolvido aqui não é só a Amazônia: é o Brasil, suas leis, transparência, gestos contra a corrupção e a ganância”, disse Christiane Torloni a Rodrigo Maia. “Pedimos respeito, pedimos, mais do que tudo, afeto, e pedimos ação, para que isso não passe”, prosseguiu a atriz, referindo-se ao decreto presidencial que extinguiu a Renca, no último dia 24.

As petições foram organizadas pela Avaaz, pelo Greenpeace e pela campanha 342 Já, um movimento de artistas contra o governo Temer cujo QG informal é a casa de Paula Lavigne e Caetano Veloso no Rio. Ali eles têm feito reuniões com políticos como Randolfe Rodrigues (Rede-AP), nas quais a agenda ambiental está frequentemente na pauta.

“Fala, Bochecha!”

Durante a reunião, no gabinete de Maia, Lavigne constrangeu o presidente da Câmara, que conhece de longa data, ao chamá-lo pelo apelido familiar: “Fala aí, Bochecha!” Sorrindo amarelo, Maia devolveu baixinho: “Olha o respeito!”

Em seguida, “Bochecha” tentou reagir à pressão falando em diálogo e dizendo que a Câmara “não tem nenhuma agenda que seja contra a floresta amazônica”.

Segundo Maia, o plenário da Câmara não tem previsão de votar o licenciamento, que pode ser aprovado nesta quarta-feira (13) na Comissão de Finanças e Tributação. “Não haverá nenhuma votação de licenciamento ambiental que não passe por um acordo entre o Meio Ambiente e os outros ministérios”, disse. “Se tiver acordo, ótimo, se não tiver a gente não pauta.”

Sobre a Renca, Maia/Bochecha disse que pediu ao presidente Michel Temer na semana passada, enquanto ocupava interinamente a Presidência, que cancelasse o decreto de extinção – que, segundo ele, estava causando mais problemas do que resolvendo. Temer apenas suspendeu a vigência do decreto por 120 dias, o que “não é o melhor caminho” para o deputado. “O nosso papel como Poder Legislativo é convencer o governo de que o próximo passo é cancelar o decreto. Muitos deputados da base do governo também estão desconfortáveis.”

Maia teve de aguentar dois sabões: um de Susana Vieira, que disse que, no caso da Renca, só um lado foi ouvido pelo governo, “e que é minoria: o lado do interesse, da terra, do governo, dos políticos, dos ruralistas”. O presidente respondeu, constrangido, que “as pessoas têm direito de ter pontos de vista diferentes”, e foi rebatido pela cantora Maria Gadú: “Não dá pra divergir sobre a Amazônia, desculpa”!

Em seguida, no Senado, o grupo ouviu de Eunício Oliveira que pautará o requerimento de urgência para um projeto de decreto legislativo que cancela a extinção da Renca. Mas o que marcou a reunião foi um bate-boca entre Victor Fasano e a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) – uma de vários parlamentares da oposição que tentaram usar o ato de terça-feira para atrair holofotes. Grazziotin começou a falar de reforma trabalhista quando foi cortada pelo ator: “Com licença, podemos falar só de Amazônia?” A senadora se irritou: “Aqui temos o costume de respeitar a palavra dos outros”. Fasano levantou a voz: “No Senado a senhora não respeita a palavra de ninguém”.

Enquanto transitavam pelos salões e corredores do Congresso, os artistas foram parados dezenas de vezes para selfies. Nem a überruralista Kátia Abreu (TO) resistiu e foi pedir para tirar foto com Susana Vieira logo após o ato em defesa do meio ambiente. Quando se identificou, a atriz lhe deu um abraço: “Você é tão pichada, né?”

 

logo Republicado do Observatório do Clima através de parceria de conteúdo.

 

Leia Também

Janot vai ao STF contra Lei da Grilagem

Extinção de reserva mineral contrariou parecer do MMA