Download PDF

Esta bela imagem da jaritataca ([i]Conepatus semistriatus[/i])foi cedida pelo nosso leitor, Egberto Araújo, que relata como foi encontro: "Este animalzinho apareceu já no final da tarde, tendo adentrado e se acomodado na varanda da casa. Ao descobri-lo, fui com cuidado, provocar a sua saída. Preocupava o fato de saber que podia lançar mão do seu mecanismo de defesa – um odor forte, bem característico." Foto:

Esta bela imagem da jaritataca ([i]Conepatus semistriatus[/i])foi cedida pelo nosso leitor, Egberto Araújo, que relata como foi encontro: "Este animalzinho apareceu já no final da tarde, tendo adentrado e se acomodado na varanda da casa. Ao descobri-lo, fui com cuidado, provocar a sua saída. Preocupava o fato de saber que podia lançar mão do seu mecanismo de defesa – um odor forte, bem característico." Foto:

A jaritataca (Conepatus semistriatus) é um animal pequeno, com cerca de 30 a 52 cm de comprimento, cauda entre 16 e 31 cm e que costuma pesar algo entre 1,4 e 4,0kg. Sua cabeça é arredondada, corpo compacto e patas dianteiras com garras longas e negras, focinho longo e sem pelo. A volumosa cauda tem pelos negros na base e brancos até o final. Os pelos do corpo variam de uma coloração preta ou marrom-escuro, com duas listas brancas que correm por cima do dorso, divididas em duas, que seguem paralelas até a base da cauda.

Conhecido popularmente como jitira, jaratataca, jacarambeva, tiaca, cangambá e, também gambá, o Conepatus semistriatus é um mamífero onívoro da família Mephitidae. No entanto, os mefitídeos, que incluem o cangambá e as chamadas doninhas fedorentas, apesar das semelhanças do mecanismo de defesa – uso de odores fétidos contra ameaças –, não podem ser chamadas de gambás, que são marsupiais, como o canguru.

A espécie ocorre no sul do México, norte da Colômbia, Venezuela, Peru e Brasil. No território brasileiro, ocorrendo no Cerrado e Caatinga, da região Nordeste do país ao estado de São Paulo. A espécie é amplamente distribuída na sua área de ocorrência e relativamente abundante, porém pode ser bastante rara em alguns locais como no do Rio Grande do Norte, Alagoas e Sergipe.

O C. semistriatus prefere as áreas de vegetações abertas típicas de seus habitats, evitando regiões de matas mais densas. A espécie apresenta boa tolerância a ambientes alterados pela ação humana, além de serem tolerantes à áreas de lavoura, como canaviais e plantações de eucalipto.

É um animal solitário e de hábitos noturnos. Ele se torna ativo logo após o pôr do sol quando sai de sua toca, uma estrutura que, quando não é cavada pela própria jaritataca, é um buraco cavado por outra espécie – como cupinzeiros ou tocas de tatus – que pegou "emprestado". Tem como arma de defesa própria e de seu território a secreção de um líquido de odor bastante desagradável.

Alimenta-se de insetos e outros invertebrados, pequenos vertebrados e frutos.

Pouco se sabe sobre o comportamento reprodutivo da espécie: unem-se ao sexo oposto apenas durante o período de reprodução. A duração da gestação é de aproximadamente 60 dias onde nascem de 4 a 5 filhotes.

As ameaças comuns à espécie são fragmentação e perda do hábitat. Além disso, esses animais são também observados próximos a habitações humanas, o que pode torná-los passíveis de ameaças, como predação por cães domésticos ou atropelamentos nas rodovias brasileiras. Outro fator é a caça: apesar de sua pele possuir pouco valor, a espécie é caçada em alguns países e, na região da Caatinga brasileira, caçada para subsistência, utilizada como alimento e/ou medicamento.

Mesmo assim, o Conepatus semistriatus encontra-se amplamente distribuído, sem indícios de declínio populacional, e apresenta boa tolerância a ambientes perturbados. Por esse motivo, a IUCN categoriza a espécie como Pouco Preocupante. Orientação também seguida pelo ICMBio.

 

 

Leia Também
Um trabalhador incansável
Parides ascanius: a borboleta praiana
Chauá, o papagaio de muitos apelidos